Milho (Zea mays) para forragem: métodos de manejo de plantas daninhas e níveis de adubação

Samuel Luiz Leite dos Santos, Ytalo Roberto Pereira Damaceno, Felipe Thomaz da Câmara, Toshik Iarley da Silva, Pedro Bruno Xavier Alcântara, Brendo Alves da Silva Souza

Resumo

O milho (Zea mays) é um dos alimentos mais usados na alimentação humana e animal. Contudo, ainda existem muitos estudos para serem realizados considerando os fatores de produção, dentre eles o manejo de plantas espontâneas, a adubação e a comercialização. Com isso, objetivou-se com esse trabalho avaliar a produtividade e a receita bruta oriundas da comercialização de uma cultivar de milho transgênico em função do método de controle de plantas daninhas e da adubação mineral para a produção de silagem. O experimento foi conduzido na Universidade Federal do Cariri, Crato, CE. Foi utilizado o delineamento em blocos casualizados em esquema fatorial 5x2, com três repetições. O primeiro fator foi cinco doses de adubação com base na dose recomendada (0, 50, 100, 150 e 200%) e o segundo foi o manejo das plantas daninhas (mecânico e químico). A semente utilizada foi o híbrido transgênico 20A55, com tecnologia Power Core. Foram avaliadas a massa verde e seca e a receita obtida por meio da comercialização da massa verde das plantas, das plantas e das espigas juntas, e da silagem. Observou-se que o manejo das plantas daninhas não interferiu na produção de massa verde e seca, e também na receita bruta do milho. A adubação favoreceu a maior parte das variáveis analisadas. A venda na forma de silagem propiciou maior receita. Em vista disso, conclui-se que o cultivo de milho para a produção de silagem não é influenciado pelo manejo de plantas daninhas, porém é pelas doses de adubação.

Palavras-chave

Cultivo, silagem, transgênico 20A55.

Texto completo:

PDF