Esportes de raquete, divulgação e infraestrutura: influências sobre a prática

Mateus Augusto de Oliveira Machado, Rodney Rodrigo de Souza, Siomara Aparecida da Silva

Resumo

A prática dos esportes em Ouro Preto está centrada no “quarteto fantástico” que se caracterizam pelos esportes coletivos mais praticados deixando uma lacuna nas experiências motoras advindas de outras modalidades. O objetivo geral deste trabalho foi descrever as características relacionadas aos esportes de raquete e assim identificar as características que conduzem sua prática esportiva após a fase escolar. Este estudo apresenta-se sobre o caráter qualitativo descritivo. Utilizando de um corte ex-post-facto. Entrevistas utilizando um roteiro desenvolvido para este trabalho foram feitas em uma escola estadual e em um clube da cidade, com áudio captado. Das respostas dos entrevistados emergiram as categorias de análise: “Quase nada, pela televisão com jogos olímpicos a gente consegue ver os esportes com raquete”. “Ping-pong, tênis, tem aquele com a peteca (badminton)”. Categoria (1) conhecimento. Foi visto com esta pesquisa que a prática dos esportes de raquete sofre influência de vários fatores como a falta de conhecimento das modalidades, motivação, divulgação das modalidades, entre outras, porém apesar disto foi visto que a cidade oferece suporte para o trabalho de algumas das modalidades de raquete e que existe uma população que apresenta interesse de praticar essas modalidades.

Palavras-chave

Educação Física, Esportes de raquete; Prática

Referências

BALBINOTTI, C. O ensino do tênis: novas perspectivas de aprendizagem. Porto Alegre: Artmed; 2009.

BERLEZE, A.; VIEIRA, L, F.; KREBS, R, J. Motivos que levam crianças para a prática de atividades motoras na escola. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v.13, n. 1, p. 99-107, 2002.

BETTI, M. Ensino de primeiro e segundo graus: educação física para quê?.Campinas: Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 1992.

BETTI, M. A janela de vidro: esporte, televisão e Educação Física. Campinas: Papirus, 1998.

BETTI, M. Educação Física e Mídia: novos olhares outras práticas. São Paulo: Hucitec, 2003.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação, Parecer CNE/CP n. 009/2001, de 8-05-2001: institui as diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 2001.

CARVALHO, A. Melo de. O dirigente esportivo voluntário. Lisboa: Livros Horizonte, 1997.

CARVALHO, B. L. P. Associativismo, lazer e esporte nos clubes sociais de Campinas. 2009.182 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

CHIMINAZZO, J. Esporte de raquete na escola: uma possibilidade de trabalho. Revista Movimento e Percepção. São Paulo, v.9, n.12, p. 1-4, 2008.

CORTELA, C.C; FUENTES, J. P; ABURACHID, L. C. M; KIST, C; CORTELA, D. N. R. Iniciação esportiva ao tênis de campo: um retrato do programa play andstay à luz da pedagogia do esporte. Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP.Campinas, v.10, n2, p. 214-234, 2012.

DAÓLIO, J. Da Cultura do Corpo. 11. ed. Campinas: Papirus, 2007.

FUENTES, J P.; GUSI, N. Iniciación Jugada Ala Técnica y a La Táctica en El Tenis: Espacios Reducidos y Poco Material. Cáceres: Copegraf, 1996.

GALLAHUE, D; OZMUM, J. Compreendendo o desenvolvimento motor. São Paulo: Phorte, 1992.

GONÇALVES, R. SILVA, C, E, M. ARAÚJO, L, C. BELLANÇON, A. A importância da tomada de consciência no jogo badminton.RevistaFiepBulletin, v.82, specialedition, article I, 2012.

GRECO, P. J.; SILVA, S. A.; SANTOS, L. R. Organização e Desenvolvimento Pedagógico do Esporte no Programa Segundo Tempo In: Oliveira. A, A, B.; GiannaLapre Perim. (Org.). Fundamentos pedagógicos do programa segundo tempo, da reflexão á prática. 21.ed. Maringa: 2009, v. , p. 163-206.

MILANI, A. G.; DARIDO, S. C. Os conteúdos atitudinais no currículo de educação física do estado de São Paulo. Pensar a Prática, [S.l.], v. 19, n. 2, jun. 2016. ISSN 1980-6183. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2018. doi:https://doi.org/10.5216/rpp.v19i2.33201.

MORENO, J. Fundamentos del deporte. Análisis de lãs estructuras Del juego deportivo. 3. ed. Barcelona: INDE, 1994.

NITSCH, J. R. The Action-Theoretical Perspective1. International Review for the

Sociology of Sport, v. 20, n. 4, p. 263-282, January 1, 1985. 1985.

OLIVEIRA, A.R.P.; GONÇALVES, A. G; JUNIOR, MANOEL, OSMAR. SEABRA. Badminton e esporte adaptado para pessoas com deficiência: revisão sistemática da literatura. Revista Da Sobama, Marília, v.18, n.1, p. 93-108, 2017.

RAMOS, V. O conhecimento pedagógico do conteúdo:estrutura e implicações à formação em educação física. Rev. bras. Educ. Fís. Esp, São Paulo. 22: 161 p. 2008.

RASICCI, A. Enseñanza del Tenis Primario. In: I SIMPOSIUM INT. PROF. ENSEÑANZA. Madrid: Real Federación Española de Tenis, Escuela Nacional de Maestría de Tenis, 1986.

RYAN, R . M.; DECI, E. L. On Happiness and Human Potentials: a Review of Resarch on Hedonic and Eudaimonic Well-Being. AnnualReviewPsychology, Palo Alto, n.52, p. 141-166, 2001.

THOMAS,J. R.; NELSON, J.K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. Trad. Denise Regina de Sales e Márcia dos Santos Dornelles. 5. ed.Portp Alegre: Artmed, 2007.

TINÔCO, R. D. G. Apontando possibilidades para o ensino do Badminton na Educação Física escolar. Cadernos de Formação RBCE: 11 p. 2014.

WANKEL, L. M. The Importance of Enjoyment to Adherence and Psychological Benefits from physical Activity. International Journal of Sport Psychology, Rome, v. 24, p. 151-169, 1993.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário
';