“IDEOLOGIA DE GÊNERO”: ALINHANDO A RETÓRICA CONSERVADORA AO PÂNICO MORAL

Amanda André de Mendonça

Resumo

Com o propósito de pensar a formação de uma agenda moralista e moralizante do país e as relações entre Estado, religião e democracia, este artigo se propõe a investigar o papel da chamada “ideologia de gênero” na composição deste quadro conservador que se desenhou no Brasil de forma mais explícita na última década, através da polêmica envolvendo a tramitação e aprovação do Plano Nacional de Educação – PNE em 2014. A partir deste caso almeja-se apresentar a ingerência de segmentos religiosos e conservadores na produção das políticas educacionais do país. A identificação dos agentes envolvidos nesta disputa, suas movimentações e discursos constituem parte deste trabalho, que procura explicitar a relação entre a laicidade do Estado e o grau de democracia experimentado no país. O objetivo é compreender parte das estratégias utilizadas, verificar as transformações no campo religioso, político e educacional, e com isso constituir um cenário que possa auxiliar na compreensão dos entraves e polêmicas que permearam a tramitação e a aprovação do PNE. Através de uma pesquisa qualitativa, envolvendo análise documental e levantamento de discursos que se destacaram neste percurso, buscou-se identificar os principais argumentos e de que forma contribuíram para o que se considerou como um pânico moral em torno da “ideologia de gênero” na sociedade brasileira. Por fim, pretendeu-se com esse artigo contribuir com os estudos referentes à laicidade e à importância desta para o estágio de democracia do país.

Palavras-chave

Laicidade. Democracia. Políticas Educacionais.

Texto completo:

PDF