CONCEPÇÕES TEÓRICAS SOBRE A ATUAÇÃO SECRETARIAL, ASSOCIADA À GESTÃO DO CONHECIMENTO

Stefani de Souza, Dante Luiz Juliatto, Katia Denise Moreira, Juliana Cidrack Freire do Vale

Resumo

A principal mudança no perfil do profissional de secretariado executivo é a transição de sua atuação do campo puramente operacional para o campo gerencial. Assim, como gestor de informações e do conhecimento e como administrador dos processos de trabalho, o secretário atua como ponte, interligando realidades, fazendo conexões entre os diversos setores da organização e conectando-se interna e externamente. Nesse sentido, este estudo tem o objetivo de verificar, em linhas teóricas, de que modo o profissional de secretariado executivo faz uso da gestão do conhecimento, como um instrumento para atuação. Em termos metodológicos, o trabalho se caracteriza pela abordagem qualitativa e caráter descritivo, realizado por meio de pesquisa bibliográfica e documental. Os resultados apontaram que o profissional atua, estrategicamente, na sistematização do conhecimento, analisando e direcionando as informações que percorrerão o ambiente organizacional, as quais poderão ser transformadas em conhecimento e, para tanto, pode se valer da gestão por processos, ferramenta que permite a melhor organização das atividades secretariais.

Palavras-chave

Secretário-executivo. Gestão do Conhecimento. Gestão por Processos.

Texto completo:

PDF

Referências

ASSOCIATION OF BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROFESSIONALS. Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio Corpo Comum de Conhecimento (BPM CBOK®) - Versão 2.0. ABPMP Brasil, 2009.

______.______. Versão 3.0. ABPMP Brasil, 2013.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BOEIRA, D. A. R; DURANTE, D. G. Gestão Secretarial: O Papel do Secretário Executivo na Gestão do Conhecimento Organizacional. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo, 2010.

BRASIL. Lei n.º 7.377, de 30 de setembro de 1985. Dispõe sobre o Exercício da Profissão de Secretário, e dá outras Providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1 out. 1985.Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7377.htm>. Acesso em: 25 nov. 2016.

______. Lei n.º 9.261, de 10 de janeiro de 1996. Altera a redação dos incisos I e II do art. 2º, o caput do art. 3º, o inciso VI do art. 4º e o parágrafo único do art. 6º da Lei nº 7.377, de 30 de setembro de 1985. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 jan. 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9261.htm>.

Acesso em: 24 nov. 2016.

______. Código de Ética do Profissional de Secretariado. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 7 jul. 1989. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2016.

DEBRUIN, T.; DOEBELI, G. BPM as an organizational approach: the experience of an Australian transport provider. In: ROSEMANN, M.; VON BROCKE, J. (Eds). Handbook on Business Process Management, v. 1, Berlin, 2009.

DURANTE, D. G. Tópicos Especiais em Técnicas de Secretariado. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2010.

DAVENPORT, T. H. Reengenharia de Processos: como inovar na empresa através da tecnologia da informação. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

______; PRUSAK, L. Conhecimento Empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

______.______. 15. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

ECCO, T. M. da S.; ROCHA, N. H. Informação e desinformação: atuação do gestor secretarial nas organizações. In: DURANTE, D. G.; FÁVERO, A. A. Gestão secretarial: formação e atuação profissional. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2009. p. 136-156.

GARFIELD, E. From scribes to secretaries in 5000 years; from secretaries to information managers in 20. Current Contents, v. 9, n. 15, p. 3-8, 1986.

GERHARDT, T. E; SILVEIRA, D. T. (Orgs.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GILES, L; VALLE, L.I.; PERRYMAN, S. A New Deal for Secretaries? Institute for Employment Studies, Report 313. University of Sussex. Brighton, UK: BEBC Distribution, 1996.

HAMMER, M.; CHAMPY, J. Reengenharia: O caminho para a mudança. 29. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

MARINHO, A. P (Org.). Competências especiais para o desenvolvimento contínuo do profissional de secretariado executivo. São Paulo: SinSesp, 2014.

MISCHE, A. M. Enterprise Systems Integration: best practices series. 2. ed. (chapter 1)., United States of America: Auerbach Publications, 2002.

MOREIRA, K. D. et al. As Competências Contemporâneas do Secretário Executivo e a Relação Com as Competências do Middle Manager. Revista de Gestão e Secretariado, v. 7, n. 1, p. 45-66, 2016.

______; Santos, A. K.; Moretto Neto, L.. Profissional de Secretariado Empreendedor: um agente de mudança. Revista de Gestão e Secretariado, v. 6, n. 1, p 168-186, 2015.

NATALENSE, L. A secretária do futuro. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1998.

NEIVA, E. G.; D’ELIA, M. E. S. As novas competências do profissional de Secretariado. 2. ed. São Paulo: IOB, 2009.

NONAKA, I; TAKEUCHI, H. Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

______. Criação de Conhecimento na Empresa: Como as Empresas Japonesas Geram a Dinâmica da Inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NONATO JÚNIOR, R. Epistemologia e Teoria do Conhecimento em Secretariado Executivo: A Fundação das Ciências da Assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2009.

PAVANI JÚNIOR, O.; SCUCUGLIA, R. Mapeamento e Gestão por Processos – BPM. São Paulo: M. Books, 2011.

POLANYI, M. The tacit dimension. London: Routdedge & Kegan Paul, 1966.

RIBEIRO, N. L. A. Secretariado: Do Escriba ao Gestor: Um estudo sobre o novo perfil do profissional de secretariado. São Luís: Edfama, 2002.

RODIGHERO, D.; GRZYBOVSKI, D. Gestão do conhecimento e o profissional de secretário executivo. In: DURANTE, D. G.; FÁVERO, A. A (Orgs.). Gestão secretarial: formação e atuação profissional. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2009. p. 157-180.

RODRIGUES, L. M. A. et al. A Atuação do profissional de secretariado executivo na gestão de processos. Diálogos Interdisciplinares, v. 5, n. 1, p. 65-80.

SANTOS, N.; VARVAKIS, G. Aula 1: Modelo de Gestão do Conhecimento. Disciplina de Métodos e Técnicas de Gestão do Conhecimento. Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, PPEGC - UFSC, 2013.2.

SOUZA, I. M. Contribuições para a construção de uma teoria de gestão universitária. In: SILVEIRA, A.; DOMINGUES, J. C. de S (Orgs.). Reflexões sobre administração universitária e ensino superior. Curitiba: Juruá, 2010.

TOWERS, S.; SCHURTER, T. Building on Experience: an executive report. Business Process Management Group, 2005.

THIVES Jr.; JUAREZ J. Workflow: Uma tecnologia para transformação do conhecimento nas organizações. Florianópolis: Insular, 2000.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: A pesquisa qualitativa em educação: O positivismo, a fenomenologia, o Marxismo. São Paulo: Atlas, 1987.

VEIGA, D R. Guia de Secretariado: técnicas e comportamento. São Paulo: Érica, 2010.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 14 ed. São Paulo: Atlas, 2013.

WAMSER, E. A secretária que faz: vivências e convivências. Blumenau: Nova Letra, 2010.