REPRESENTATIVIDADE DO SECRETARIADO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POR MEIO DO MAPEAMENTO DE TESES E DISSERTAÇÕES

Elaine Rossi, Cibele Barsalini Martins, Katia Denise Moreira

Resumo

Em um estudo de Souza, Galindo e Martins (2015) dar continuidade aos estudos após a graduação em Secretariado Executivo, pode ser visto como uma dificuldade, pela não aceitação de pesquisas na área secretarial em programas de pós-graduação stricto sensu. Partindo deste pressuposto, a presente pesquisa teve como objetivo verificar a representatividade do Secretariado como fenômeno de pesquisa em programas de pós-graduação stricto sensu. Para tanto, realizou-se uma pesquisa bibliométrica e descritiva, e utilizou-se como fonte de dados o Banco de Teses e Dissertações da CAPES. O trabalho é de natureza básica, e as estratégias utilizadas para a obtenção dos resultados foram a pesquisa bibliográfica e documental. Em relação aos resultados obtidos, encontrou-se 38 dissertações e 5 teses especificamente sobre o Secretariado, entre os anos de 1989 e 2016, provenientes de 16 diferentes áreas de conhecimento. Resultado considerado expressivo, quando relacionado ao fato do Secretariado não ser reconhecido como área de conhecimento específico, e as áreas de conhecimento no geral buscam pesquisar em seus respectivos interesses. Portanto a pesquisa comprovou que é possível a inserção do secretariado em programas de pós-graduação das mais diversas áreas

Palavras-chave

Teses. Dissertações. Secretariado Executivo

Texto completo:

PDF

Referências

BALBACHEVSKY, E. A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bem-sucedida. In: BROCK, C.; SCHWARTZMAN, S. Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. 2006.

BÍSCOLI, F. R. V.; BILERT, V. S. S. A evolução do Secretariado Executivo: Caminhos prováveis a partir dos avanços da pesquisa científica e dos embates teóricos e conceituais na área. Revista Expectativa – Unioeste, v. 12, n. 12, jan/dez. 2013.

BIFANO, M. R. A Pós-Graduação Stricto Sensu no Brasil. 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 mai. 2017.

BRASIL. MEC. Parecer no 254/2012, de 06 de junho de 2012. Normas Para Os Cursos de Pós-graduação Stricto Sensu. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2017

CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Documento de área 2013. 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 mai. 2017.

______História e missão. 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2017.

______Sobre as Áreas de Avaliação. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

CALDAS, M. A. E. Estudos de revisão de literatura: fundamentação e estratégia metodológica. São Paulo: Hucitec, 1986.

CARMINATTI, M.; SCOPINHO, R. A. Estudos científicos na área de secretariado. Revista das Faculdades Integradas Claretianas, n. 4, jan./dez. 2011: 136-148.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 1/2001. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de abril de 2001. Seção 1, p. 12.

DEMO, P. (2006). Pesquisa: princípio científico e educativo (12nd ed.). São Paulo: Cortez.

DURANTE, D. G. Direções para pesquisas em secretariado executivo e criação de cursos de especialização e mestrado. In 1º Encontro Nacional Acadêmico de Secretariado Executivo. Toledo: Unioeste. Disponível em: Acesso em: 05 jun. 2017

DURANTE, D. G.; PONTES, E. S. Produção Intelectual em Secretariado Executivo: Estudo na Revista de Gestão e Secretariado (GeSec). Revista de Gestão e Secretariado, [s.l.], v. 06, n. 01, p.23-47, 1 abr. 2015.

FANTINATO, M. Métodos de Pesquisa. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2017.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Org.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GHELLER, M. G. Atuação do acadêmico de Secretariado Executivo como assessor do Programa de Pós-Graduação em Administração da UFSC. 2017. 43 f. TCC (Graduação) - Curso de Secretariado Executivo, Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

IIZUKA, E. S.; ALMEIDA, W. A. G. Produção acadêmica em Secretariado: análise dos artigos da Revista de Gestão e Secretariado – GeSec e da Revista Secretariado Executivo em Revista entre 2005 e 2012.Revista de Gestão e Secretariado - GeSec, São Paulo, v. 5, n. 3, p 71-93, set/dez. 2014.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos da Metodologia Científica, 6. ed., São Paulo: Atlas, 2007.

MAÇANEIRO, M. B. A construção da identidade científica em Secretariado Executivo. In D. G. Durante (org.), Pesquisa em secretariado: cenários, perspectivas e desafios (pp. 75-97). Passo Fundo: Ed. UPF, 2012.

MACCARI, E. A. et al. Sistema de avaliação da pós-graduação da Capes: pesquisa-ação em um programa de pós-graduação em Administração. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Dezembro 2008. 171-205.

MAÇANEIRO, B. M.; KUHL, M. R. Estado da arte e o rumo do conhecimento científico em Secretariado Executivo: mapeamento e análise de áreas de pesquisa. Revista de Gestão e Secretariado, São Paulo, v. 4, n. 3, p 157-188, dez. 2013

MARTINS, S. B.; MACCARI, E. A.; MARTINS, C. B. A abordagem de múltiplos critérios na priorização de projetos em um Programa de Mestrado Profissional. 10th International Conference on Informa on Systems and Technology Management – CONTECSI. São Paulo: [s.n.]. 2013. p. 1405-1430.

MORITZ, G. et al. A pós-graduação brasileira: evolução e principais desafios no ambiente de cenários prospectivos. Future Studies Research Journal, v. 5, n. 2, p. 3-34, 2013. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2017

MEC. Ministério da Educação. Número de pós-graduandos cresce no Brasil. 2017. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2017.

NONATO JÚNIOR, R. Epistemologia do Secretariado Executivo: por uma teoria do conhecimento em Secretariado. In XVI Congresso Nacional de Secretariado. Anais... Brasília: Federação Nacional de Secretariado. 2008. Disponível em: http://www.fenassec.com.br/c_artigos_trabalhos_cientificos_xvi_consec.html

_____. (2009). Epistemologia e teoria do conhecimento em Secretariado Executivo: a fundação das ciências da Assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica.

SABINO, R. F.; MARCHELLI, P. S. (2009). O debate teórico-metodológico no campo do secretariado: pluralismos e singularidades. Cadernos EBAPE.BR, 7(4), 607-621, dez.

SOUZA, E.C.P; GALINDO, A.G.; MARTINS, C.B.; A Produção Acadêmico-Científica no Campo do Secretariado: Mapeamento de Dissertações e Teses no Período de 1999 a 2013. Revista de Administração Geral. v.1, n.1, p. 154 - 173, 2015.

SANTOS, C. M. Tradições e contradições da pós-graduação no Brasil. Educação e Sociedade, Campinas: CEDES, vol. 24, n. 83, p. 627-641, 2003. Disponível em: . Acesso em 08 nov. 2017.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.