ASSIMETRIA DE INFORMAÇÕES NO MERCADO DE SAÚDE SUPLEMENTAR E SEUS IMPACTOS NA FORMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS: UM ESTUDO DE CASO

Giane Maria Gibbert, Luiz Carlos Dias, Weimar Freire da Rocha Jr

Resumo

Na região Oeste do Paraná, onde se localiza a cooperativa Unimed Costa Oeste e na qual se realizou o presente estudo de caso, boa parte da população ainda vive na zona rural. Para exemplificar, tem-se, na área de abrangência[1] da Unimed Costa Oeste, 23,48% da população vivendo na zona rural segundo dados do último censo (IBGE, 2000), constituindo-se assim um amplo mercado para a comercialização de planos de saúde. Nesse sentido com o intuito de ampliar seu market share, a empresa adotou estratégias para facilitar o acesso desta população à saúde suplementar. Neste contexto, este trabalho procurou verificar se a conduta adotada pela empresa é coerente com os dados pesquisados, ou se há assimetria de informações interferindo na elaboração de estratégias e tomada de decisões da operadora. Por meio da análise dos dados, pode-se inferir que o beneficiário da zona rural tem um perfil de consumo de serviços de saúde diferenciado. Em geral, a população da zona rural realiza consultas e exames com mais freqüência, além de apresentar um índice mais elevado de internações. Isso faz com que o percentual das despesas assistenciais com relação ao faturamento da população rural seja consideravelmente maior do que o percentual da população urbana.


Palavras-chave

Planos de saúde, assimetria de informação e estratégia.

Texto completo:

PDF