A AGROPECUÁRIA E AS INDÚSTRIAS TRADICIONAIS NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARANAENSE NO PERÍODO DE 1970 A 2000

Moacir Piffer, Silvio Cezar Arend

Resumo

Este artigo analisa as transformações espaciais ocorridas na estrutura produtiva das Áreas Mínimas Comparáveis (AMCs) paranaenses, especificamente dos setores agropecuário e das indústrias tradicionais, no período de 1970 a 2000. Utilizou-se a abordagem teórica da base econômica de Douglas North para fundamentar a análise e o Quociente Locacional para identificar as AMCs que tinham esses setores como básicos no período analisado. Os resultados mostraram uma mudança espacial da distribuição dos setores analisados: o setor agropecuário se difundiu e o setor das indústrias tradicionais se adensou em AMCs específicas do Estado do Paraná, principalmente em Guarapuava, Irati, Pinhão, Palmas, Bituruna, General Carneiro, União da Vitória, Porto Vitória, Paula Freitas, Mangueirinha, localizadas na Mesorregião Centro Sul; e nas AMCs de Mariópolis, Clevelândia, Coronel Vivida, Francisco Beltrão, Ampére, localizadas na Mesorregião Sudoeste do Paraná. Assim, a capacidade e a interação da base econômica da agropecuária e das indústrias tradicionais das AMCs (regiões) paranaenses foram responsáveis pela manutenção, difusão e a diversificação dos ramos de atividades básicas e alavancaram os ramos de atividades não-básicas da indústria tradicional.

Palavras-chave

Desenvolvimento Regional; Áreas Mínimas Comparáveis (AMCs); Base Econômica.

Texto completo:

PDF