ATUAÇÃO DOS ATORES NÃO ESTATAIS CONSEQUÊNCIAS E RESPONSABILIDADES DIANTE A OBSOLESCÊNCIA TECNOLÓGICA PROGRAMADA: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO OESTE DE SANTA CATARINA

Francieli Boito, Cláudio Machado Maia

Resumo


A obsolescência tecnológica programada tornou-se uma técnica frequentemente praticada pelo mercado para estimular a troca e venda de produtos. O cenário atual de globalização permite constantes mudanças tecnológicas e processos inovadores que aceleram o consumo e facilitam essa prática na competição global entre empresas. Assim, o artigo tem como objetivo trazer ao debate, a atuação dos atores não estatais, mais especificamente as empresas e corporações suas contribuições, responsabilidade e obrigações diante a emissão de resíduos sólidos e controle da obsolescência tecnológica programada, apresentando um estudo de caso na cidade de Chapecó/SC. A metodologia utilizada caracteriza-se pela pesquisa exploratória, método dedutivo e técnica de pesquisa bibliográfica. Conclui-se com o estudo, que a obsolescência tecnológica programada está presente, porém é pouco conhecida e debatida, e que seus efeitos poderão ser amenizados quando houver uma conscientização entre sociedade, empresas e governo.


Palavras-chave


Atores não estatais; Obsolescência tecnológica programada; Chapecó.

Texto completo:

PDF


INFORME GEPEC


e-ISSN: 1679-415X — ISSN: 1676-0670 (descontinuado em 2010)

Unioeste
Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Toledo
Informe Gepec- PGDRA
Rua da Faculdade, 645
Jardim La Salle - Toledo - Paraná
85903-000

[
revista.gepec@gmail.com ]