Desconcentração Produtiva Regional E Fluxos Migratórios: O Caso De Sergipe

Elmer Nascimento Matos, Fernanda Esperidião

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o comportamento da economia sergipana no período entre 1970 a 2008 e seus efeitos sobre sua mobilidade migratória, quando do seu atrelamento ao desempenho da economia brasileira até o momento resultante do impacto dos efeitos da política econômica liberalizante e do enxugamento do Estado nacional enquanto formulador de política de desenvolvimento nacional. Será possível identificar ao longo da análise os vários momentos cíclicos da economia de Sergipe, destacando a importância da ação estatal na sua dinâmica seja através do planejamento e do investimento sob sua coordenação visando sua estruturação econômica, seja por meio da adoção de incentivos fiscais sob a regulação da Sudene, instituição de fomento ao desenvolvimento regional. Durante os momentos de desarticulação da ação projetada para o desenvolvimento nacional, como durante a crise fiscal e financeira do Estado brasileiro a partir da década de 1980 e a implantação do receituário de políticas neoliberais a partir da década de 1990, a economia de Sergipe sofreu fortes reveses. Na ausência de políticas de desenvolvimento nacional e regional os governos estaduais passaram a adotar a guerra fiscal como artifício para atrair investimentos. Sergipe algum êxito logrou, levando-o a se destacar regionalmente em termos de indicadores sociais e de bem-estar social, colocando-o como um dos estados de rotatividade migratória na última década.

Palavras-chave

Migração, desenvolvimento regional, Sergipe.

Texto completo:

PDF