Desconcentração, Migração E Diferenciais Por Estrato De Renda Na Bahia

Julia Modesto Pinheiro Dias Pereira

Resumo


Esse texto visa buscar indícios da associação entre as transformações na renda domiciliar e os movimentos migratórios, diante da seguinte questão: Será que os pobres têm imigrado mais ou menos do que os outros? Para tentar responder essa questão  foram comparadas características da migração por estratos de renda e porte municipal. As análises foram desenvolvidas sempre que possível de forma comparativa entre municípios agrupados segundo tamanho e população em estratos de rendimento domiciliar per capita. As cidades foram divididas em cinco categorias (Até 15 mil habitantes, de 15 a 50 mil habitantes e mais de 50 mil habitantes, Região Metropolitana de Salvador e a cidade de Salvador); e a população em quatro grupos de renda domiciliar per capita (Até ½ Salário Mínimo, de ½ a 1 Salário Mínimo, de 1 a 3 Salários Mínimos e Mais de 3 Salários Mínimos- com foco no primeiro grupo). Infelizmente as análises se seguirão apenas para os anos de 1991 e 2000, já que os dados do Censo 2010 ainda não estão disponíveis. Além do mais, o estado escolhido para o desenvolvimento desse estudo será a Bahia, tendo em vista a importância que  programas como os de transferência de renda têm para este estado, juntamente com o histórico de altas taxas de perda populacional por emigração.


Palavras-chave


Renda per capita; porte municipal; migração

Texto completo:

PDF


INFORME GEPEC


e-ISSN: 1679-415X — ISSN: 1676-0670 (descontinuado em 2010)

Unioeste
Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Toledo
Informe Gepec- PGDRA
Rua da Faculdade, 645
Jardim La Salle - Toledo - Paraná
85903-000

[
revista.gepec@gmail.com ]