A intensidade do trabalho na cadeia produtiva da soja de Ijuí/RS

Marcos Paulo Dhein Griebeler

Resumo

O artigo debate as transformações que a “modernização” trouxe tanto para a agricultura como para a indústria, tendo-se como foco a cadeia produtiva da soja, existente em Ijuí/RS. Por primeiro, tem-se uma breve análise sobre o papel do trabalho na sociedade contemporânea. Em termos de procedimentos metodológicos, os mesmos estiveram baseados em Triviños (1987) e Gil (2002). Quanto aos agentes sociais selecionados, foram questionados 56 produtores de soja, entrevistados dois gestores da empresa SOJA S/A e ainda realizado um questionário com 33 trabalhadores desta mesma organização. Na análise prática, constatou-se que os proprietários das lavouras de soja vêm destinando tanto uma maior adição de insumos químicos como mais tempo para o planejamento em razão da substituição da mão-de-obra pelas máquinas, resultados práticos da tecnologia. No trabalho urbano relacionado à CPS, o grau da presença da intensidade do trabalho na empresa pesquisada se expressava pelos turnos de trabalho, aleatórios e prolongados, o que comprova a hipótese que a inserção da tecnologia gera mais trabalho ao assalariado. Em seguida estão os elementos que expressam o porquê da inserção de novas tecnologias e seu impacto no cotidiano tanto dos produtores de soja como dos trabalhadores do segmento industrial ligado à Cadeia Produtiva da Soja do município analisado. Por último, estão as considerações finais acompanhadas de sugestões para a verificação da intensidade do trabalho em outros setores econômicos e também integrantes da sociedade contemporânea que vive do trabalho.

Palavras-chave

Tecnologia; Cadeia Produtiva; Intensidade do Trabalho; Agronegócio.

Texto completo:

PDF