APL madeireiro e mobiliário de São Bento do Sul e de Arapongas: uma análise comparativa utilizando o índice Rasmussen-Hirschman

Ana Maria Machado Caravieri, Paulo Rogério Alves Brene, Umberto Antônio Sesso Filho, Antonio Carlos de Campos, Rossana Lott Rodrigues

Resumo

RESUMO O objetivo deste artigo é avaliar a contribuição do índice de Rasmussen-Hirschman, extraído da matriz insumo produto municipal, para a análise de Arranjos Produtivos Locais (APL) em conjunto com outros métodos. Como objeto de estudo, são utilizados os municípios de Arapongas/PR e São Bento do Sul/SC, notadamente reconhecidos no setor de madeira e mobiliário. O tema se justifica devido a sua importância e a falta de consenso dos métodos e conceitos. Para responder ao problema de pesquisa, descreveu-se as metodologias tradicionais, bem como o uso da matriz insumo-produto municipal para o cálculo do índice Rasmussen-Hirschman. Como resultado, evidenciou-se as diferenças entre os métodos de identificação que apresentam de um a sete APLS nos municípios analisados. Já, com base no índice Rasmussen-Hirschman, no caso específico do setor de madeira e mobiliário, este não se caracterizou como setor-chave em ambas as localidades. Em Arapongas os valores foram 1,10 (trás) e 0,88 (frente) e em São Bento do Sul foram 1,07 (trás) e 0,85 (frente). Analisando apenas os indicadores para trás, é possível observar que o setor é importante consumidor de insumos nos municípios, contudo não seria o mais importante ficando em 4° e 6° em Arapongas e São Bento do Sul respectivamente.

Palavras-chave

Índice Rasmussen-Hirschman; Arranjo Produtivo Local; Setor de Madeira e Mobiliário; Desenvolvimento Regional.

Texto completo:

PDF