O DUPLO E A ALTERIDADE EM “O CÍRCULO”, DE RUTH LAUS

Karen Gomes da Rocha, Salete Rosa Pezzi dos Santos

Resumo


O presente artigo visa abordar o tema do desdobramento do Eu no conto “O círculo”, de Ruth Laus, através da figura da personagem Paula e a busca do seu duplo. O estudo da personagem feminina, enquanto representação literária, e relacionado à duplicidade, associa-se a questões ligadas à identidade e à construção do Eu, a partir de uma cisão interna, permitindo, pois, analisar a representação do duplo, permeado por questões relativas à alteridade, especialmente no que concerne à manutenção da subjetividade na busca do Outro como extensão do Eu. O duplo, por sua vez, instaura-se como fenômeno capaz de instituir uma relação ativa com o mundo, a condição dialética da criatura, como forma de afirmação a partir da concepção de (re)conhecimento do Outro como ligação entre passado-presente-futuro na (re)construção da unidade e estabelecimento do equilíbrio. Para a personagem Paula o elemento que sinaliza a divisão da sua personalidade é o feto abortado e, então, é a partir daí que se inicia a manutenção do Eu profundo da protagonista: encontrar o que dela foi cindido.


Palavras-chave


Ruth Laus; literatura de autoria feminina; o duplo e a alteridade

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista Línguas & Letras

 


e-ISSN: 1981-4755 — ISSN: 1517-7238

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Cascavel
Programa de Pós-Graduação em Letras 

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalinguaseletras@gmail.com |