UMA AVALIAÇÃO DA COMPETÊNCIA COMUNICATIVA INTERCULTURAL DE PROFESSORES LUSÓFONOS

Aline Facchini Alexandre, José Marcelo Freitas de Luna, Rodrigo Schaefer

Resumo

Programas de mobilidade internacional e redimensionamentos curriculares destacam-se como as mais frequentes práticas de desenvolver a competência comunicativa intercultural dos estudantes, visando ao respeito da diversidade em sua alteridade. Para o professor em formação inicial e continuada, trata-se de se formar para lidar com crianças, adolescentes e jovens adultos, que dão forma aos crescentes fluxos migratórios ao redor do mundo. Interessados no perfil docente de professores de língua portuguesa para uma educação intercultural, abordamos os profissionais de nacionalidade angolana presentes no Fórum Juventude Europa – Lusofonia, em sua edição de Coimbra 2014. Com uma metodologia alinhada à proposta de Schaefer (2014), avaliamos as habilidades de Descoberta de Conhecimento, Empatia, Respeito ao Outro, Tolerância à Ambiguidade, Flexibilidade Comportamental e Consciência Comunicativa. Neste artigo, apresentamos e discutimos os achados do grupo de professores de Angola, à luz da literatura dos estudos culturais, dando relevo à competência comunicativa intercultural. As considerações que nos permite a análise são em torno dos limites reais dos sujeitos – neste caso professores em formação e em atuação – de significarem a natureza simbiótica da relação entre eles mesmos, os outros e o mundo.

Palavras-chave

Programas de mobilidade. Interculturalismo. Cultura.

Texto completo:

PDF