QUANDO DIZER NÃO É FAZER - "ALGUMA COISA URGENTEMENTE", UM CONTO DE JOÃO GILBERTO NOLL

Rebeca Fuks

Resumo

o objeto de estudo deste artigo é o conto “Alguma coisa urgentemente”, de João Gilberto Noll. O conto, que tem como pano de fundo o cenário da ditadura militar brasileira, é narrado a partir do ponto de vista do filho de um perseguido político. Retratando as consequências que a escolha do pai gerou na vida dos dois, o conto apresenta uma lenta e progressiva degradação dos personagens. Embora o tema da ditadura militar com suas implicações políticas e sociais compareça no artigo, a ênfase será dada a complexidade linguística presente no conto. O filho, narrador, faz uso de uma linguagem por vezes terna, por vezes supressora, por vezes catatônica, por vezes prolixa. Encontramos em “Alguma coisa urgentemente” uma história de formação as avessas. Na história de formação tradicional, o protagonista amadurece passando por uma série de provações até alcançar uma maturidade financeira, ética ou humana. No conto, por sua vez, o caminho traçado é o avesso, o filho percorre um longo aprendizado da agonia (tanto a partir da dor física quanto psicológica), se desumaniza e assiste se desumanizarem. Pretendemos ler como essa transformação se dá no nível da linguagem.

Palavras-chave

João Gilberto Noll, ditadura, linguagem

Texto completo:

PDF