ALEMÃES VS BRASILEIROS EM NO TEMPO DAS TANGERINAS: A IDENTIDADE EM QUESTÂO

JENIFER ROYER THIEL, DENISE ALMEIDA SILVA

Resumo


O presente trabalho visa analisar a constituição da identidade e diferença no contexto da representação da imigração alemã em Santa Catarina no romance No tempo das tangerinas (1983), de Urda A. Klueger. O trabalho apresenta, inicialmente, alguns apontamentos teóricos sobre o assunto em questão, com base, principalmente, no pensamento de pesquisadores dos Estudos Culturais: Tomaz Tadeu da Silva, Kathryn Woodward e Stuart Hall. Segue-se a análise do romance, na qual se evidencia como, no contexto de uma comunidade de imigrantes alemães, as diferenças se constituem tanto através da comparação entre indivíduos pertencentes à própria comunidade imigrante, como com respeito aos não alemães com quem estes entram em contato. Diferenças existem, e são necessárias para a constituição identitária dos sujeitos; ressalta-se a capacidade de lidar com essas diferenças e as relações de poder que instauram e motivam a hierarquização entre um indivíduo ou comunidade e seus outros.


Palavras-chave


Identidade; Diferença; No tempo das tangerinas.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista Línguas & Letras

 


e-ISSN: 1981-4755 — ISSN: 1517-7238

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Cascavel
Programa de Pós-Graduação em Letras 

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalinguaseletras@gmail.com |