A CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS: QUESTÕES DE FORMAÇÃO E LIMITES DE AÇÃO

Denise Brasil Alvarenga Aguiar

Resumo

O texto analisa algumas questões ligadas às opções teóricas, pedagógicas e políticas na formação e atuação do professor de língua portuguesa no Brasil, com base em textos oficiais (Diretrizes Curriculares, LDB, BNCC etc.) e bibliografia crítica (Nóvoa, Geraldi, Britto, Tardif, Freire, entre outros). Parte-se da hipótese de que a autonomia, tal como concebida por Paulo Freire, é um componente fundamental, tanto para a formação quanto para o exercício profissional da docência, e realiza-se um levantamento de alguns dos sentidos que o conceito assumiu no âmbito do pensamento pedagógico. São discutidos, como limites de ação, problemas já antigos do ensino de língua portuguesa nas escolas brasileiras de modo geral. Também se busca refletir de que maneira o contexto contemporâneo, incluindo as novas tecnologias de comunicação, traz impactos e necessidade ainda maior do exercício da autonomia, na formação e na prática do professor de português como língua materna.

http://dx.doi.org/10.5935/1981-4755.20170005

Palavras-chave

Licenciatura em Letras, autonomia docente, documentos legais

Texto completo:

PDF