Literatura, Fronteiras e Margens: Poéticas Fronteiriças na Fronteira Brasil-Paraguai

Josué Ferreira Oliveira Júnior

Resumo

RESUMO O artigo busca refletir sobre a intrincada relação entre literatura, fronteira(s) e margens como signos que acrescem renovados sentidos à leitura e à abordagem críticas de obras e de artefatos artístico-literários que emergem de/em contextos fronteiriços. Ressalta, dentre outros aspectos, o crescente interesse por experiências literárias e textualidades contemporâneas várias, cuja marca se traduz no atravessamento e na superação das fronteiras que tornavam em outros tempos, mais ou menos, identificáveis os diferentes campos da atuação artística, seus meios de produção e as ferramentas de abordagem teórico-críticas. Destaca, ainda, a flagrante eclosão de hermenêuticas fronteiriças, que atuam não só no sentido de ampliar as possibilidades de leitura e abordagem críticas, mas, também, de reacender as discussões e o interesse sobre as fronteiras e os limites da literatura e do literário, de modo a abrigar um conjunto de novíssimas textualidades que desafiam, por assim dizer, as concepções normativas destas noções, tornando evidente o aspecto reducionista de que estão cercadas. O trabalho se volta para uma fronteira bem específica: a do Brasil com o Paraguai; para o portunhol selvagem, de Douglas Diegues, como uma experiência literária paradigmática, no contexto da literatura contemporânea, ao assumir como projeto estético-político a superação das fronteiras geográficas, linguísticas e as da própria literatura, além de lançar luzes sobre expressões literárias outras, também circunscritas a esse espaço fronteiriço, como é o caso de Selva trágica (1956), por exemplo. A reflexão se dará com base nas teorias pós-coloniais e na crítica decolonial.

Palavras-chave: Literatura de fronteira; Poéticas selvagens; textualidades fronteiriças.

Palavras-chave

Literatura de fronteira; Poéticas selvagens; Textualidades fronteiriças

Texto completo:

PDF

Referências

REFERÊNCIAS

ACHUGAR, Hugo. Planetas sem boca: escritos efêmeros sobre arte, cultura e literatura. Trad. Lyslei Nascimento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. Trad. e Apres. Selvino José Assmann.- São Paulo: Boitempo, 2007.

ATTI, Francesca Degli. Considerações acerca do movimento do Portunhol selvagem: o paradigma da osmose e a resistência cultural. In: Babilónia: Revista Lusófona de Línguas, Culturas e Tradução. n.º 13, 2013 - Lisboa, p. 47-72. Disponível em: . Acesso em: 27 Out. 2016.

ÁVILA, Myriam. Douglas Diegues por Myriam Ávila. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2012.

BANCESCU, María Eugenia. Frontera de ninguna parte: el portunhol selvagem de Douglas Diegues. In: Revista abehache. v. 1, n. 2, 2012. Disponível em: . Acesso em 23 Set. 2017.

BARROS, Manoel de. Poesia completa. São Paulo: Leya, 2010.

COMPAGNON, Antoine. Demônio da teoria: literatura e senso comum. Trad. Cleonice Paes Barreto Mourão, Consuelo Fortes Santiago. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

CHAVES, Flávio Loureiro. Ponta de estoque. Caxias do Sul, RS: Educs, 2006.

DONATO, Hernâni. Selva trágica. Taubaté- SP: Editora LetraSelvagem, 2011.

DIEGUES, Douglas. Dá gusto andar desnudo por estas selvas. Curitiba, Travessa dos Editores, 2002.

_______________. Uma flor na solapa da miséria. Yiyi Jambo, 2007.

_______________. El astronauta paraguayo. Asunción, PY: Yiyi Jambo, 2007.

_______________. Triple frontera dreams. Ciudade Autónoma de Buenos Aires: Interzona Editora, 2017.

DINIZ, Alai Garcia. A literatura entre fronteiras e deslocamentos: corpo, papel e imagem. In: Outra Travessia. Revista de Literatura - PPGL- UFSC. n. 7, 2008 - Florianópolis; UFSC, p. 65-72. Disponível em: . Acesso em: 23 Out. 2016.

DUSSEL, Enrique. Beyond eurocentrism: The world-system and the limits of modernity. In: JAMESON, Fredric; MIYOSHI, Masao. (Org.). The cultures of globalization. Duke University Press, 2004.

IBANHES, Brígido. Silvino Jaques:o ultimo dos bandoleiros. Dourados: B. Ibanhes, 2012.

IBGE. Atlas das representações literárias brasileiras. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

LOCANE, Jorge J. Disquisiones en torno al Portunhol selvagem. Del horror de los professores a una “lengua pura”. In: Perífrasis. Revista de Literatura teoría y crítica. vol. 6, n.º 12, 2015 - Bogotá, p. 36-48. Disponível em: . Acesso em: 27 Out. 2016.

MATTOSO, Glauco; FROÉS, Elson. Sonetário Brasileiro. Disponível: . Acesso em: 28 Set. 2017.

MATTOSO, Glauco. Orelha. In: DIEGUES, Douglas. Dá gusto andar desnudo por estas selvas. Curitiba, Travessa dos Editores, 2002.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais / Projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

ROBERT, Marthe. Romance das origens, origens do romance. Tradução de André Telles. São Paulo, SP: Cosac Naify, 2007.

THE NOBEL PRIZE IN LITERATURE 2016. Bob Dylan. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2018.

TLOSTANOVA, Madina V.; MIGNOLO, Walter D. Learning to unlearn: decolonial reflections from Eurasia and the Americas.The Ohio State University, 2012.