O novo e a Tradição em Riacho Doce: Entre o Pertencimento e a Ruína

Elisa Domingues Coelho

Resumo

Riacho Doce, junto a’ O Moleque Ricardo, Pureza, Riacho Doce, Água-Mãe e Eurídice, compõe uma parte da obra de Zé Lins que escapa às tradicionais leituras dos ciclos, da memória e do regionalismo. Esse romance, em particular, sofreu ainda maior ataque da crítica, que leu, no protagonismo do estrangeiro, uma tentativa fracassada do autor de inovar e escapar ao rótulo de memorialista. Este artigo, a partir da análise do romance, procura expor como José Lins do Rego, ao trazer uma protagonista estrangeira e dedicar toda a primeira parte da história à sua infância na Suécia, inovou sim, mas para operar uma complexificação dos elementos que unem sua obra e inseri-los em uma longa trajetória do pertencimento que une o nacional e o estrangeiro, a tradição e o novo. Através dessa trajetória da protagonista, Edna, vemos a terra como eixo organizador do romance, desde sua profunda crise do não pertencimento na juventude até sua perspectiva, perante o novo, atravessar o mar e invadir de cheio o conhecido conflito entre tradição e mudança, dotando-o de um novo olhar. Dedicando uma leitura atenta, como o fez Mário de Andrade, podemos perceber como esses elementos constroem um emaranhado de trajetórias e perspectivas em que a terra, a tradição, o novo, o estrangeiro e a busca por pertencer ou deixar de pertencer se aproximam, afastam-se e, por fim, confrontam-se.

Palavras-chave

: literatura brasileira; modernismo; José Lins do Rego

Texto completo:

PDF

Referências

ANDRADE, Mário de. O empalhador de passarinho. São Paulo: Martins, 1972.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Editora Cultrix, 1990 – 95.

BUENO, Luís. Uma História do Romance de 30. São Paulo: Campinas: Edusp; Editora da Unicamp, 2006.

CASTELLO, Jose Aderaldo. José Lins do Rego: Modernismo e Regionalismo. São Paulo, Edart, 1961.

COUTINHO, Afrânio; COUTINHO, Eduardo de Faria. A literatura no Brasil. V. 5. São Paulo: Global, 2004.

GAIOTTO DE MORAES, R.; VIEIRA, V. S. Tensões identitária e culturais: o estrangeiro e o brasileiro em “Riacho Doce” (1939), de José Lins do Rego. RevLet, v. 09, nº1, p. 423 – 239, jan/jul, 2017.

REGO, José Lins. Pureza; Pedra Bonita; Riacho Doce. Rio de Janeiro: José Olympio, 1961.