O Processo de Ensino-Aprendizagem de Língua Inglesa para Deficientes Auditivos – Um Olhar Psicopedagógico

Lais Amelia Silva Lobo, Diógenes Cândido de Lima

Resumo


RESUMO

O presente texto tem como objetivo discutir a contextualização da prática de ensino de Língua Inglesa para deficientes auditivos brasileiros sob um olhar psicopedagógico. Intenciona tratar das dificuldades de aprendizagem relacionadas ao processo de ensino-aprendizagem desta, bem como, propor a prática interventiva dentro da sala de aula de Língua Inglesa, para que se possa, deste modo, contribuir para a inclusão e o preparo dos estudantes surdos para a utilização e compreensão do idioma, o que já é oferecido a alunos não portadores destas necessidades. No decorrer deste texto, discutiremos algumas destas estratégias a partir do relato de experiência em sala de aula com uma aluna surda. O desafio de lidar com a situação levou uma professora do ensino médio a refletir a respeito de sua prática e a buscar suporte teórico sobre o tema ao qual naquele momento lhe era pouco familiar. Acrescenta-se à discussão uma proposta pedagógica para o trabalho com futuros docentes de Língua Inglesa nas universidades, buscando instigar estes futuros profissionais a autonomamente buscar compreender como lidar com as diversas teorias de aquisição de segunda língua e das metodologias de ensino de línguas estrangeiras no âmbito dos limites de aprendizagem dos alunos de sua própria comunidade escolar. O profissional psicopedagogo, além de contribuir para a investigação dos modos de aprender dos estudantes, especialmente os que tiverem alguma necessidade específica, poderá auxiliar o professor de inglês na seleção das atividades que poderão ser feitas em favor deles. 


Palavras-chave


Ensino de Língua Inglesa. Psicopedagogia. Deficientes Auditivos.

Texto completo:

PDF

Referências


BOCK, A. M. B. Psicologias: Uma Introdução ao Estudo de Psicologia/Ana Mercês Bahia Bock, Odair Furtado,Maria de Lurdes Trassi Teixeira. Saraiva, São Paulo. 1999.

_______. DECRETO No 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Brasil, 2005. Disponível em:

_______. Orientações curriculares para o ensino médio. Volume 1: linguagens códigos e suas tecnologias: arte, educação física, Língua Estrangeira, espanhol, língua portuguesa, literatura. 2008.

_______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Língua Estrangeira / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília : MEC/SEF, 1998.

BONDÍA, J. L. A experiência e alteridade em educação. Revista Reflexão e Ação, 2011.

DAVIS, C.; OLIVEIRA, Z. M. R. Psicologia na Educação. Cortez. São Paulo, 1994.

DIAS, L. S.; GOMES, M. L. C. Aquisição de Linguagem. In: Estudos Lingüísticos: dos problemas estruturais aos novos campos de pesquisa Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa – Metodologia do ensino de língua portuguesa e estrangeira. Curitiba: IBPEX, p. 142 – 158, 2008.

ELLIS, R. Second Language Acquisition. Oxford introductions to language study. Oxford University Press. New York. 1994.

FAIRCLOUGH, N. Analysing Discourse: Text Analysis for Social Research, London: Routledge. 2003

_______. Critical language awareness. London: Longman Publishing, 1992.

_______. Discourse and social change. Oxford: Polity Press Blackwell Publishers Ltd., 1992.

_______. Media Discourse. New York: Edward Arnold, 1995.

_______. New labor, new language? London: Routledge, 2000.

_______. Discurso e mudança social. Brasília: Editora UNB, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. 1996.

_______. Ação Cultural para a liberdade: e outros escritos. Paz e Terra, v. 5, p. 149 p., 1981.

GARDNER, H. Intelligence reframed: Multiple intelligences for the 21st century. Intelligence reframed Multiple intelligences for the 21st century, 1999.

GÁSPARI, J. C. DE; SCHWARTS, G. M. Inteligências múltiplas e representações. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 2002.

GOLDMAN, M. ALTERIDADE E EXPERIÊNCIA: ANTROPOLOGIA E TEORIA ETNOGRÁFICA. Etnográfica, 2006.

HALBACH, A. Exporting methodologies: The reflective approach in teacher training. Language, Culture and Curriculum, v. 15, n. 3, p. 243–250, 2002.

KNUD, I.; ALHEIT, P. Teorias contemporâneas da aprendizagem. Cap. 8 Aprendizagem Biográfica: dentro do novo discruso da aprendizagem ao longo da vida, 2013.

LYONS, J. Lingua(gem) e Lingüística: uma introdução. tradução de Marilda Winkler Averbug e Clarisse Sieckenius de Souza. Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 1987.

MARCHESI, A. Desenvolvimento e Educação de Crianças Surdas. In: COHH, C; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. Desenvolvimento psicológico e educação: transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais. 2 ed. Porto Alegre. Artmed: 2004. p. 171-192.

MASGORET, A. M.; GARDNER, R. C. Attitudes, motivation, and second language learning: A meta-analysis of studies conducted by Gardner and associates. Language Learning, 2003.

MICHALISZYN, M. S. Educação e Diversidade : [s.l: s.n.].

PRATES, L.; MARTINS, V. Distúrbios da fala e da linguagem na infância. Revista Médica de Minas Gerais, v. 21, n. 4, p. 54–60, 2011.

RAJAGOPALAN, K. Reply to Canagarajah Kanavillil Rajagopalan. ELT Journal, v. 53, n. July, p. 215–216, 1999.

_______. O inglês como língua internacional na prática docente. In: LIMA, D. C. de (org.). Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa. Conversas com especialistas. São Paulo: Parábola. 2009. p. 39-46.

RAMOS, R. Passos para a Inclusão. Algumas sugestões para o plano didático. 2º ed. São Paulo: Cortez, 2006. (p. 17 – 47)

REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141365382007000100003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

RIVERS, W. M. Psicologia e ensino de línguas. Tradução de Álvaro Cabral. Editora Cultrix. São Paulo. 1964

_______. A metodologia do ensino de línguas estrangeiras. Tradução de Hermínia s. Marchi. Pioneira. São Paulo: 1975.

RODRIGUES, C. Falar com as mãos. Revista Nova Escola. Edição 221. Editora Abril, 2009

SANCHES, P. R. et al. Aprendizagem De Língua Estrangeira: Um Direito Do Aluno Surdo. [s.d.].

SIMPSON, C. Culture and foreign language teachingLanguage Learning Journal, 1997.

SANTOS, A. R.. Metodologia científica: a construção do conhecimento. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SCHÜTZ, R. English Made in Brazil . Acesso em 15/04/2018

SCOVEL, T. Psycholinguistics. Oxford introductions to language study. Oxford University Press. New York. 1998.

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2007.

STRATEGIES FOR TEACHING STUDENTS WITH COMMUNICATION DISORDERS e STRATEGIES FOR TEACHING STUDENTS WITH HEARING IMPAIRMENTS. Disponível em: http://www.as.wvu.edu/~scidis/hearing.html. ultimo acesso: 05/04/2018.




Direitos autorais 2020 Línguas & Letras

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Línguas & Letras


e-ISSN: 1981-4755 — ISSN: 1517-7238

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Cascavel
Programa de Pós-Graduação em Letras 

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalinguaseletras@gmail.com |