Entre a Oficialização e a Desoficialização do Ensino de Espanhol no Brasil: Apontamentos e Implicações da Experiência Amapaense

Lílian Latties, Dorotea Frank Kersch

Resumo

Historicamente, o espanhol sempre esteve à margem das políticas de ensino de línguas no Brasil. Entretanto, nos últimos quatorze anos, vivenciamos dois processos que mudaram os rumos do ensino de línguas, a oficialização e a desoficialização do ensino do espanhol na educação básica. Dessa forma, nosso objetivo é discutir a(s) política(s) linguística(s) que levaram à oficialização e desoficialização do ensino do espanhol, bem como compreender, a exemplo do Amapá, como se deu a implementação do ensino desta língua nas escolas da rede pública. Para tanto, valemo-nos de discussões teóricas de autores como Paraquett (2014, 2009), Rajagopalan (2016, 2014) e Lagares (2013). Assim, a partir dos dados que dispomos, é possível observar que a a falta de clareza da regulamentação estadual refletiu em uma dúbia interpretação pelas escolas da rede pública, o que possibilitou que o ensino do espanhol fosse utilizado inclusive para preenchimento de lacunas de horários. Além disso, cumprimento das políticas linguísticas está acima da preocupação com o processo de ensino-aprendizagem, uma vez que a formação de professores também deveria fazer parte planejamento linguístico.

Palavras-chave

Ensino do espanhol; políticas de ensino de línguas; formação de professores.

Texto completo:

PDF

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

_______. Planejando a Próxima Década: Conhecendo as 20 Metas do Plano Nacional de Educação. Brasília: MEC, 2014.

_______. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC, 2013.

_______. Orientações Curriculares Nacionais. Linguagem, códigos e suas tecnologias. Ensino médio. Brasília: MEC, 2006.

_______. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996 e 11.494, de 20 de junho 2007; revoga a Lei no11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2017.

_______. Lei nº 11.161, de 05 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino de língua espanhola. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2016.

_______. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da Educação Brasileira. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2016.

CÁCERES, G. H. Avaliação de uma experiência de mobilidade Brasil-Argentina por alunos de espanhol do ensino médio tecnológico: política linguística educativa e regionalização. Tese (doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo, 2017.

DAY, K. Ensino de língua estrangeira no Brasil: entre a escolha obrigatória e a obrigatoriedade voluntária. Revista Escrita, Rio de Janeiro, n. 15, 2012. Disponível em: . Acesso em: 03 jan. 2018.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Atmed, 2009.

LAGARES, X. C. Ensino de espanhol no Brasil: uma (complexa) questão de política linguística. In. NICOLAIDES, C. et al. (orgs.). Políticas e Políticas linguísticas. Campinas: Pontes, 2013.

LEFFA, V. J. O professor de línguas estrangeiras: do corpo mole ao corpo dócil. In: FREIRE, M. M.; ABRAHÃO, M. H. V.; BARCELOS, A. M. F. (Org.). Linguística Aplicada e contemporaneidade. São Paulo: Pontes, 2005.

MAHER, T.J.M. Políticas linguísticas e políticas de identidade: currículo e representações de professores indígenas na Amazônia ocidental brasileira. Currículo sem Fronteiras, v. 10, n. 1, pp. 33-48, jan/jun 2010.

MERCOSUL. Plan del Sector Educativo del MERCOSUL de 2006-2010. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2017.

MERCOSUL. Plano Estratégico de 2001-2005. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2017.

MERCOSUL. Tratado de Assunção. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2017.

PARAQUETT, M. As dimensões políticas sobre o ensino da língua espanhola no Brasil: tradições e inovações. In. MOTA, K. SCHEYERL, D. Espaços Linguísticos: resistências e expansões. 2ª ed. Salvador: EDUFBA, 2014.

_____________. O papel que cumprimos os professores de espanhol como língua estrangeira (e/le) no Brasil. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Diálogos Interamericanos, no 38, p. 123-137, 2009

RAJAGOPALAN, K. Políticas de ensino de línguas no Brasil: história e reflexões prospectivas. In. MOITA LOPES, L. P. da (Org.). Linguística Aplicada na modernidade recente: Festschrift para Antonieta Celani. 1º ed. 2ª reimp. São Paulo: Parábola, 2016.

______________. O ensino de língua estrangeira como uma questão política. In. MOTA, K. SCHEYERL, D. Espaços Linguísticos: resistências e expansões. 2ª ed. Salvador: EDUFBA, 2014.

ROCHA, D.; DEUSDARÁ, B. Análise de Conteúdo e Análise do Discurso: aproximações e afastamentos na (re)construção de uma trajetória. ALEA, Rio de Janeiro, v. 7, n.2, jul./dez., 2005. Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2017.