Alfabetização e Aprendizagem da Língua Materna Como Lingua Estrangeira em Escolas Indígenas no Paraná

Maria Christine Berdusco Menezes, Rosângela Célia Faustino, Maria simone jacomini Novak

Resumo

Há estudos sobre os índios Kaingang no Paraná que contribuem para o entendimento da sua história, cultura, organização social e linguística. Entretanto, sobre a escolarização e a apropriação da linguagem escrita, tanto da língua kaingang, como da língua portuguesa, são raras as publicações e pesquisas sobre um tema que é muito relevante, haja vista o ritmo acelerado da perda de línguas minoritárias no mundo e no Brasil, a partir de uma política neoliberal de estado mínimo e pouco investimento em formação de professores para atuarem em áreas socialmente relevantes como as línguas, dentre elas as línguas indígenas que requer investimento na formação de professores e linguistas indígenas. Neste artigo apresentamos aspectos históricos sobre registros desta língua indígena, o projeto de alfabetização bilíngue implementado no Brasil e como esta vem ocorrendo com os povos Kaingang na região do Vale do Ivaí, no Paraná, com crianças do ensino fundamental.  Por meio de pesquisa bibliográfica e empírica foi possível perceber que o ensino da língua materna indígena, mesmo entre crianças monolíngues em kaingang, entra no currículo como ensino de língua estrangeira, o que pode comprometer seriamente a aprendizagem, a alfabetização, tanto da língua indígena como da língua portuguesa. Evidencia-se que o investimento na formação continuada de professores indígenas é uma das estratégias para a superação de tal situação.

Palavras-chave

Alfabetização; Crianças Kaingang; Metodologias de ensino de Línguas.

Texto completo:

PDF

Referências

BARROS, Maria Cândida Drumond Mendes. A missão Summer Institute of Linguistics e o indigenismo latino-americano: história de uma aliança (décadas de 1930 a 1970). Revista de Antropologia. São Paulo, vol.47, n.1, p.45-85, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referenciais para a formação de professores indígenas. Brasília: MEC, SEF,

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial curricular nacional para as escolas indígenas. Brasília, 1998.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 23. Ed. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Diretrizes para a política nacional de educação escolar indígena, 1993. Em Aberto. Brasília, vol. 14, n. 63, p. 175-187, jul./dez. 1994.

BRASIL. Serviço de Proteção ao Índio. Relatório Geral de Atividades do SPI. 1942.

CALVET, Jean-Louis. As políticas linguísticas. São Paulo, Parábola Editorial IPOL, 2007.

CAVALCANTI, Marilda do Couto; MAHER, Terezinha de Jesus M. O índio, a leitura e a escrita: O que está em jogo? São Paulo: Cefiel, 2005.

COOK-GUMPERZ, J. A construção social da alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

FAUSTINO. Rosangela Celia. Política educacional nos anos de 1990: o multiculturalismo e a interculturalidade na educação escolar indígena.2006. 329 f. Tese (Doutorado)-Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

GRIZZI, D. C. S.; SILVA, A. L. da. A Filosofia e a Pedagogia da Educação Indígena: um resumo dos debates. In: COMISSÃO PRÓ-ÍNDIO. A Questão da Educação Indígena. São Paulo: Brasiliense, 1981.

IDELGUAP. Instituto de Linguística Guarani del Paraguay. Assuncion, 1994

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010: características gerais dos indígenas: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

LURIA, Alexander R. O desenvolvimento da escrita na criança. In: LEONTIEV, Alexis; VYGOTSKY, Lev. S.; LURIA, Alexander Romanovich. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2001.

MACEDO, Donaldo. Alfabetização, linguagem e ideologia. Revista Educação & Sociedade. Campinas, V. XXI, n. 84, dez. 2000.

MENEZES, Maria Christine Berdusco. A política de educação escolar indígena e o processo de alfabetização em uma comunidade Kaingang no Paraná. 2016. 244 f. Tese (Doutorado)-Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2016.

MINDLIN, Betty. Referenciais para a Formação de Professores Indígenas: um livro do MEC como bússola para a escolaridade. Em Aberto. Brasília, v. 20, n. 76, p. 148-153. 2003.

MOTA, Lucio Tadeu. As guerras dos índios Kaingang: a história épica dos índios Kaingang no Paraná: 1760-1924. Maringá: Eduem, 1994.

MOTA, Lúcio Tadeu; NOVAK, Éder da Silva. Os Kaingang do vale do rio Ivaí: história e relações interculturais. Maringá: Eduem, 2008.

NOVAK, Maria Simone Jacomini. Os Organismos internacionais, a educação superior para indígenas nos anos de 1990 e a experiência do Paraná: estudo das ações da Universidade Estadual de Maringá. 2014. 342 f. Tese (Doutorado)-Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2014.

PARANÁ. Conselho Estadual de Educação. Resolução Secretarial nº 802/2005. SEED: Paraná, 2008.

PIMENTA-SILVA, Miguel. Os antigos Maias no pensamento ocidental: entre factos e mitos. CADMO Revista de História Antiga. Lisboa-PT, n. 22, 2011 p. 225-244. Disponível em: https://impactum.uc.pt/en/content/revista?tid=15808&id=15808

OIT. Organização Internacional do Trabalho. Convenção nº 169 sobre povos indígenas e tribais e resolução referente à ação da OIT. Brasília: OIT, 1989.

ROCKWELL, Elsie. Culturas orais ou múltiplos letramentos? A escrita em contextos de bilinguismo. In: MARINHO, Marildes; CARVALHO, Gilcinei Teodoro. Cultura escrita e letramento (Org.). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. p. 101-124.

UNESCO. Informe de la Reunion de Especialistas Organizada por la UNESCO en 1951. Empleo de las lenguas vernaculas en la enseñanza.. UNESCO, 1954.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. La imaginación y el arte em la infância. Madrid: Férnandez Ciudade, 2003.

WIESEMANN, Ursula Gojtéj. Dicionário. Kaingang-Português. Português-Kaingang. Curitiba. Editorial Evangélica Esperança, 2002.