DIFERENÇA E MEMÓRIA EM PUENTES/PONTES, UMA ANTOLOGIA TRANSNACIONAL

Isabel JASINSKI

Resumo

Este artigo pretende comentar sobre a antologia de poesia argentina e brasileira publicada em 2003, intitulada Puentes/Pontes. Primeiramente, abordará os conceitos que colaboraram para a configuração da antologia, como leitura e leitor, soberania dos organizadores e do mercado editorial, e o significado simbólico de “ponte”. Em seguida, ocupar-se-á das diferentes concepções estéticas, literárias e históricas, buscando avaliar como elas dispõem a perspectiva analítica escolhida pelos antologistas. Neste sentido, apóia-se em outros textos dos próprios organizadores, que oferecem visões esclarecedoras a respeito dos fundamentos teóricos que baseiam, ou ainda precedem, as leituras elaboradas por eles. A esse respeito, a análise sugere que Monteleone, da margem argentina, aproxima-se de uma concepção tardo-modernista de interpretação do panorama literário, enquanto Hollanda, do lado brasileiro, vincula-se a uma visão modernista enraizada em preceitos historicistas e nacionalistas

 

Palavras-chave

antologia; poesia argentina; poesia brasileira; passagem; imagens poéticas; memória.

Texto completo:

PDF