Letramento é Uma Questão Que Interessa Somente À Escola?: A Propósito do Enunciado Concreto em Situação de Abertura de Conta Bancária

Marcos Roberto dos Santos Amaral, João Batista Costa Gonçalves

Resumo


Considerando que, dentro das lógicas de relações institucionais de poder, as práticas de letramento são elementos importantes para o empoderamento de sujeitos sociais, pretendemos refletir, neste texto, sobre o papel de agências de letramento frente aos diversos descasos sociais e situações de abuso de poder, sobretudo aquelas causadas por instituições, como as financeiras, com forte presença na vida cotidiana das pessoas. Como fundamento teórico para levar avante a pesquisa, apoiamo-nos em Kleiman (2006), para discutir o conceito de agentes de letramento; em Vóvio e Souza (2005), para salientar o caráter histórico da relação entre identidade social e práticas de leitura e escrita; em Street (2012; 2014), para considerar o fato de que instituições específicas incorporam práticas letradas específicas, conforme suas convenções consagradas e o fato de que a forma como se percebe essas práticas determina as formas de ação social; e, por fim, em Bakhtin (2015), para estudar o enunciado concreto na sua dimensão dialógica. De posse deste arsenal teórico, analisaremos as particularidades do letramento em contratos de abertura de conta em banco, através das especificidades dos enunciados concretos a que os sujeitos envolvidos nessa situação são submetidos. Da análise, destacamos que: 1) a situação de abertura de conta concorre para corroborar o dito “fracasso escolar” e o estabelecimento de formas abusivas de poder por endossar representações de leitura e escrita, marcadas pela insegurança, descrença e temor quanto ao texto do contrato, representações as quais constituirão, por meio das interações com esses sujeitos, as experiências de letramento que o aluno trará para escola; e 2) que, nesse sentido, para além da escola, outras instituições, como as bancárias, também influenciam no desenvolvimento da prática letrada dos sujeitos sociais.


Palavras-chave


Letramento; Enunciado concreto; Instituições sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Problemas da Poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

KLEIMAN, A. Processos identitários na formação profissional: o professor como agente de letramento. In: CORRÊA, M. L. G. e BOCH, F. (orgs.). Ensino de língua: representação e letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

MACHADO, A. Abrir conta corrente pode se tornar um problema para o consumidor in: , acesso 16/05/2018.

MARCHEZAN, R. C. Diálogo. In: BRAIT, B. Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2014, p. 115-131.

SANTOS, B. S. Na oficina do sociólogo artesão. São Paulo. Cortez, 2018.

SILVA, A. P. P. F. Bakhtin. In: OLIVEIRA, L. A. (org.). Estudos do discurso: perspectivas teóricas. São Paulo: Parábola, 2013, p. 45-69.

STREET, B. A escolarização do letramento. In: MAGALHÃES, I. (Org.). Discursos e práticas de letramento. Campinas-SP: Mercado das Letras, 2012a, pp. 69-92.

STREET, B. V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad.Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2014.

VÓVIO, C. L. e SOUZA, A. L. S. (2005). “Desafios metodológicos em pesquisas sobre letramento”, in: KLEIMAN, A. B. e MATENCIO, M. L. M. (orgs.) Letramento e formação do professor: práticas discursivas, representações e construção do saber. Campinas: Mercado de Letras, pp. 41-64.




Direitos autorais 2020 Línguas & Letras

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Línguas & Letras

 


e-ISSN: 1981-4755 — ISSN: 1517-7238

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Cascavel
Programa de Pós-Graduação em Letras 

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalinguaseletras@gmail.com |