A INTERTEXTUALIDADE DA ÓPERA NA FICÇÃO DE NÉLIDA PIÑON

Carlos Magno Santos Gomes

Resumo

Este artigo analisa como Nélida Piñon constrói uma leitora feminista no romance A força do destino (1978). Essa obra destaca o papel da escritora contemporânea ao ler os clássicos de um lugar pós-moderno e feminista. Pós-moderno por descentrar os elementos estruturais do texto, feminista por se opor a todo tipo de opressão da mulher. Neste romance, a narradora reconstrói a trajetória das personagens Álvaro e Leonora, protagonistas da ópera homônima de Giuseppe Verdi, a partir de sua devoção por elas, por isso passa a ser um relato passional e original. A narrativa de Piñon é construída de um lugar paródico e irreverente que atualiza o enredo de Verdi. Trata-se de uma metanarrativa em que a narradora dialoga com seus personagens e seu leitor. Nesse caso, a referência à ópera de Verdi é, na verdade, a exploração de arquivos artísticos e culturais de acordo com os interesses da narradora. Metodologicamente, este trabalho se pauta na exploração das intertextualidades presentes nessa obra e nos estudos de gênero para valorizar o lugar de fala da escritora como próprio da cultura feminista contemporânea.

Palavras-chave

Intertextualidade; Metanarrativa feminista; Ópera; Nélida Piñon.

Texto completo:

PDF