ESCRITA E FALA: O QUE NOS ENSINAM OS TEXTOS NÃO LITERÁRIOS

Célia Marques Telles, Alícia Duhá Lose

Resumo


Até o início do século XX somente os textos escritos documentavam a língua. A partir da análise de documentos não literários dos séculos XVII a XX, pretende-se mostrar como a escrita reflete fatos de fala. Duas séries de fenômenos serão especialmente enfocadas: a representação gráfica das vogais átonas e aquela das fricativas sibilantes (palatais e não palatais). Tem-se como finalidade alertar para os problemas relativos à interferência da fala na escrita, traçando um paralelo entre a escrita do falante comum, de mão inábil, contaminada pela sua fala e a escrita padrão.


Palavras-chave


Textos não literários. Escrita de mãos inábeis. Interferência fala/escrita.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5935/rl&l.v11i20.4140

Direitos autorais



Revista Línguas & Letras

 


e-ISSN: 1981-4755 — ISSN: 1517-7238

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Cascavel
Programa de Pós-Graduação em Letras 

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalinguaseletras@gmail.com |