O ROMANCE HISTÓRICO E A PROBLEMÁTICA DO DISTANCIAMENTO TEMPORAL ENTRE O FATO NARRADO E O PERÍODO DE VIDA DO AUTOR

Donizeth Santos

Resumo


O artigo aborda a grande controvérsia existente em relação ao distanciamento temporal entre o fato narado e o período de vida do autor na conceituação do romance histórico. Para muitos críticos literários, talvez a maioria deles, é necessário que a ação do romance, ou pelo menos a maior parte dela, seja ambientada num tempo anterior ao período de vida do romancista, e para outros, esse critério é por demais rígido e obsoleto. Dessa forma, e levando-se em consideração que Georg Lukács, o primeiro teórico do romance histórico, colocou Balzac no grupo dos romancistas históricos como um dos seguidores da técnica de Walter Scott, afirmando que o romancista francês “criou um tipo superior e até então desconhecido de romance histórico” (LUKACS, 1966,  p.94), que é a representação do presente como história, este artigo apresenta uma reflexão sobre essa controvérsia, verificando se realmente há  necessidade de que o distanciamento temporal tenha um peso maior  que o diálogo com a história e sua representação na caracterização de um romance histórico.


Palavras-chave


Literatura e História, Romance Histórico, Ficção Histórica

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista Línguas & Letras

 


e-ISSN: 1981-4755 — ISSN: 1517-7238

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Cascavel
Programa de Pós-Graduação em Letras 

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalinguaseletras@gmail.com |