INVESTIGAÇÕES GEOSSOCIOLINGUÍSTICAS: CONSIDERAÇÕES PARA UMA DESCRIÇÃO DOS FENÔMENOS DA VARIAÇÃO

Sanimar Busse

Resumo


Apresentamos neste trabalho algumas discussões sobre os princípios teóricos e metodológicos dos estudos da variação linguística. As reflexões tomam o contexto sócio-histórico como elemento que condiciona a realização da fala no tempo e no espaço. A língua, mais especificamente a sua realização na fala, é tomada como pertencendo à ordem do social, ou seja, como elemento que reporta ao modo de viver das pessoas, dos grupos e das sociedades, que, por meio de redes sociais e de seus entrelaçamentos retratam o dinâmico e complexo jogo das relações sociais. Registrada na sua realização mais viva, a fala é o eixo ao qual se unem e estabelecem diversas conexões, diferentes instâncias da sociedade. Essa dinâmica relação entre língua e sociedade, segundo os estudos sociolinguísticos e dialetológicos, fornece os elementos para a avaliação dos fenômenos que se manifestam na fala. O percurso teórico e metodológico traçado neste trabalho não esgota os princípios que sustentam os estudos variacionistas, mas reúne algumas reflexões sobre as condições pelas quais a descrição da língua pode fornecer elementos para uma avaliação sobre o comportamento dos falantes diante da história e da cultura da comunidade.

Palavras-chave


variação linguística; princípios teóricos e metodológicos; Sociolinguística e Dialetologia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5935/rl&l.v13i24.6957

Direitos autorais



Revista Línguas & Letras

 


e-ISSN: 1981-4755 — ISSN: 1517-7238

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Cascavel
Programa de Pós-Graduação em Letras 

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalinguaseletras@gmail.com |