AVALIAÇÃO DO CULTIVO DA CANA-DE- AÇÚCAR EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

Juliano Vieira de Paula, Gabriel Pereira, Francielle da Silva Cardozo

Resumo

O Brasil tem avançado na atividade canavieira nas últimas décadas devido, principalmente, às terras férteis e ao clima favorável, fator que causa impactos devido à mudança no uso e cobertura da terra. Neste contexto, o objetivo desse trabalho consiste na avaliação da expansão do cultivo da cana-de-açúcar em áreas de preservação permanentes (APPs) para oito municípios do Estado de São Paulo entre os anos de 2003 a 2010. Neste estudo utilizaram-se imagens do sensor Thematic Mapper (TM) do satélite Landsat 5, vetores de APPs do projeto denominado Mapeamento Ambiental de APPs no Estado de São Paulo,  além de mapas temáticos da cana-de-açúcar do Projeto CANASAT. Os resultados indicam que municípios de cultivo antigo (Araraquara, Jaboticabal, Morro Agudo e Pitangueiras) apresentaram poucas variações na supressão de APPs, entre 1% e 3%, porém, os municípios costumam reformar os talhões de cana-de-açúcar ao longo dos anos. Ainda, os municípios de expansão recente apresentaram uma supressão 6% e 14%, destacando-se Getulina e Cafelândia. De modo geral, as expansões da cana-de-açúcar sobre as APPs nestes municípios ocorreram nos anos de 2006 a 2009 devido á intensa produção do cultivo pelo setor sucroalcooleiro para atender as demanda por etanol no mercado consumidor.

Palavras-chave

Cana-de-açúcar; Áreas de Preservação Permanente; Sensoriamento Remoto; São Paulo.

Texto completo:

PDF