O LUGAR DO ENSINO NO PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DA GEOGRAFIA NO BRASIL

Eduardo Donizete GIROTTO

Resumo

Neste artigo, nos propomos construir uma ação arqueológica, escavando as diferentes trajetórias que marcaram o processo de institucionalização da geografia no Brasil. O que aqui nos interessa não é um entendimento per si deste processo. Ele é, antes, o ponto de entrada, o caminho que encontramos para dialogar com o nosso objeto de estudo. O nosso olhar, neste momento, está direcionado para o lugar do ensino de geografia no interior deste processo. O ensino é a nossa entrada e é por ele que queremos debater os processos que marcam a história da institucionalização da Geografia no Brasil. Olhar para o lugar do ensino é também tentar entender os reposicionamentos do mesmo no interior da trajetória desta ciência. Nossa hipótese: a falsa dicotomia entre ensino e pesquisa, que marca hoje as práticas e dinâmicas de uma ciência dominada pelo capital, não estavam postas no momento de institucionalização desta ciência. Ao contrário, o sentido de se fazer geografia só poderia ser encontrado na relação intrínseca entre o ensino e a pesquisa. Tal união, porém, não era ao acaso. Assentava-se em um projeto mais amplo de sociedade que tinha no conhecimento geográfico um dos seus princípios norteadores.

Palavras-chave

Ensino de Geografia; Sociedade; Institucionalização

Texto completo:

PDF