"DIAS & DIAS” DE ANA MIRANDA: GONÇALVES DIAS RENASCENDO COMO UM DUPLO, UM REFLEXO, CRIADO POR OUTRO

Maria Conceicao Moreira de Almeida Souza

Resumo


Abordaremos, neste trabalho, a questão do duplo, enquanto duplicação do sujeito, contemplada na obra Dias & Dias de Ana Miranda, uma vez que sua narrativa permite construir um Gonçalves Dias, a partir do próprio poeta romântico do séc. XIX, que se consubstancia em “entidade autônoma”, identificando-se parcialmente com aquele que o originou. Se considerarmos Otto Rank (2001) que vê no duplo o poder específico de impedir a morte de si mesmo,2 será possível dizer que a problemática sobre o outro, no romance Dias & Dias, permite o renascimento e eternização do poeta, manifestado pela palavra.

Palavras-chave


Letras; Literatura Brasileira

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |