LITERATURA, FRONTEIRA E COMÉRCIO

Moacir Lopes de Camargos, Marcos Estrada

Resumo


O objetivo deste trabalho, de abordagem qualitativa, é discutir o comércio realizado pelos quileiros entre as cidades gêmeas Aceguá (Brasil) e Aceguá (Uruguai) e a cidade de Melo (Uruguai). A partir da leitura do livro Conto do país dos gaúchos do escritor uruguaio Julián Murguía, como principal referência, discutimos como acontece esse tipo de atividade comercial fronteiriça considerada não oficial. O referencial teórico advém de Bakhtin (2000) e suas contribuições sobre alteridade, de Miotello (2005, 2009) sobre o conceito de ideologia, dentre outros investigadores. Pudemos observar com nossas análises que, embora esse tipo de comércio seja considerado ilegal e as pessoas que o praticam sejam perseguidas, ele é necessário para que elas sobrevivam, uma vez que a política econômica prevista no Mercosul não contempla as vulneráveis populações fronteiriças.


Palavras-chave


Literatura; fronteira; comércio

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |