AS FLORES DO MAL NO JARDIM DE LOBATO

Luciana Rodrigues de Souza

Resumo


A produção literária pode refletir e refratar as percepções das relações sociais, políticas, econômicas, interpessoais e culturais de um autor. Desse modo, o universo ficcional extrapola para o real. Este artigo, ainda que não pretenda e não possa abarcar a extensa obra de dois ícones da literatura, propõe reflexões sobre aspectos da modernidade, do modernismo e dos olhares lançados à cidade em partes da obra do francês Charles Baudelaire e do brasileiro Monteiro Lobato, intelectuais de suas épocas que nos revelam por seus escritos a capacidade da cultura de incorporar as novidades de cada momento histórico, assim como as tensões e o contraditório latente nas grandes mudanças.


Palavras-chave


Literatura; Modernidade; Modernismo

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2019 Revista de Literatura, História e Memória

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |