A construção memorial das identidades por um vendedor de passados, de José Eduardo Agualusa

Ana Cristina Pinto Bezerra

Resumo

Analisa-se o constructo memorial das múltiplas identidades no cerne narrativo de O vendedor de passados (2004), de José Eduardo Agualusa, escritor angolano que converge a partir da narração de uma osga o fluxo de identidades em trânsito diante de uma memória colonizada. Percorre-se, para tanto, a linha tênue entre a ficção e a própria noção do real na narrativa diante de uma profusão de vozes que envolvem o leitor nesse rol de memórias “vividas” e inventadas. Faz-se dessa maneira um questionamento crítico e teórico diante dessa construção de identidades por uma memória processual, coletiva que imbrica o histórico e o ficcional no universo literário dessa vivência híbrida.

Palavras-chave

Memória. Identidade. Ficção. O real na narrativa. Construção. José Eduardo Agualusa. O vendedor de passados (2004).

Texto completo:

PDF