DNA barcoding: uma ferramenta de apoio molecular para identificação de espécies de peixes

Rafael Hencke Tresbach, Natalia Menezes Cerqueira, Sarah Ramos Medeiros, Harold Julián Pérez Gutierrez, Natalia Ossa Hernández, Marília Danyelle Nunes Rodrigues

Resumo

A identificação de gêneros e espécies é feita pela sistemática, observando-se caracteres morfológicos e anatômicos, os quais são a expressão do fenótipo. Entretanto, mudanças de uma ou mais bases em genes podem resultar em semelhanças fenotípicas entre espécies diferentes, levando a um erro de identificação. Como alternativa, surgiram ferramentas moleculares baseadas em genes ribossomais e mitocondriais. O presente trabalho tem como objetivo compilar informações sobre a identificação molecular e apresentar o caso do jundiá (Rhamdia quelen), no qual existem controvérsias geradas pela identificação taxonômica. Os diferentes genes utilizados para identificação apresentam suas peculiaridades, como inserções e deleções no caso do 16S rRNA e do 18S rRNA. Além destes genes ribossomais, há o uso de genes mitocondriais, como o gene do citocromo b, cuja problemática se concentra no desenho de primers, e o gene da subunidade 1 do citocromo C oxidase, sendo este último a melhor alternativa para identificação, gerando um Barcode genético. Estudos de DNA barcoding auxiliam na identificação de espécies em nível molecular, bem como, permitem estudos evolutivos em particular, no que tange a respeito da especiação, nos revelando mecanismos que podem ter contribuído para a adaptação nos mais diversos climas brasileiros.

Palavras-chave

DNA barcoding; peixes; Rhamdia quelen; COI; DNA mitocondrial; DNA ribossomal

Texto completo:

PDF