Relação entre modelos de desdobro, rendimento e qualidade da madeira serrada de Pterocarpus angolensis

Claudio Gumane Francisco Juízo, Marcio Pereira Rocha, Abel Lucas Rafael

Resumo

RESUMO

O presente trabalho teve o objetivo relacionar diferentes modelos de desdobro com o  rendimento e qualidade de madeira serrada de Pterocarpus angolensis (Umbila), na serra-fita, numa serraria de pequeno porte em Moçambique. Foram selecionadas 20 toras  as quais foram ditribuídas igualmente para cada classe diamétricas (41-50 cm e 51-60 cm). As  toras de cada classe diamétrica foram separadas em cinco para o desdobro radial, e cinco para o desdobro tangencial. Nos resultados obtidos, o modelo de desdobro tangencial apresentou melhores rendimentos em relação ao desdobro radial, e aumento do rendimento em madeira serrada com o aumento do diâmetro das toras. Para a qualidade da madeira, o arqueamento foi intenso no desdobro radial, e o encurvamento foi mais intenso no desdobro tangencial, que por sua vez teve maior índice de rachaduras das tábuas em relação ao desdobro radial. Nas condições utilizadas para a realização do estudo, o desdobro tangencial apresentou melhores resultados de rendimento, sendo que a menor porporção de empenamentos foi verificada no desdobro radial.

Palavras-chave

umbila; serraria; tangencial; radial; defeitos

Texto completo:

PDF