Determinação da maturidade fisiológica de Caesalpinia peltophoroides Benth. pela coloração de sementes

Eloisa Lorenzetti, Jeferson Carlos Carvalho, Aline Kelly Pomini de Souza, Samara Brandão Queiroz, Cristiani Belmonte, Marlene de Matos Malavasi

Resumo

As sementes são eficientes meios de propagação das plantas, especialmente as de espécies nativas como a Caesalpinia peltophoroides. Diante do exposto, objetivou-se com o presente trabalho determinar o momento ideal de coleta das sementes, seguindo o parâmetro da coloração das sementes, visando obter maiores porcentuais germinativo e de vigor. As matrizes foram obtidas em municípios do oeste do Paraná (Marechal Cândido Rondon, Palotina e Quatro Pontes) e os tratamentos utilizaram foram: T1 - sementes marrom escuras; T2 - sementes marrons; T3 - sementes beges; T4 - sementes verdes. Foram mensuradas a largura (cm) das sementes amostradas, comprimento (cm), espessura (cm) e o peso de 100 sementes (g). Além de testes de condutividade elétrica, germinação, índice de velocidade de germinação (IVG) e sementes mortas. A partir das plântulas, foram medidos os comprimentos de parte aérea, biomassa seca da parte aérea e a biomassa seca da raiz em gramas. A coloração que melhor se destacou entre os parâmetros avaliados, foi onde as sementes se encontravam beges, seguido das verdes, apresentando maiores médias de germinação, 45 e 34,17%, respectivamente. As sementes beges apresentaram maior IVG (19,84%), e o segundo menor índice de condutividade elétrica (80,5 µS cm-1 g-1 de sementes), perdendo apenas para as sementes verdes (21,14 mS cm-1 g-1). A semente estará apta a semeadura quando apresentar coloração bege e o estádio mais prejudicial para a semeadura seria quando as sementes apresentarem tegumento marrom escura, pois é expressarão menor vigor e maior taxa de mortalidade.

Palavras-chave

sibipiruna; tegumento; teste de germinação; vigor

Texto completo:

PDF