Qualidade fisiológica de sementes de soja tratadas com inseticidas, fungicidas e fertilizante

Thaisa Cavalieri Matera, Lucas Caiubi Pereira, Alessandro Lucca Braccini, Samara Cavalli Piana, Andreia Kazumi Suzukawa, Glaucia Cristina Ferri, Renata Cristiane Pereira, Larissa Vinis Correia

Resumo

Objetivou-se com o presente trabalho avaliar a influência da adição de um fertilizante polinutriente contendo elementos bioestimulantes ao tratamento industrial e verificar o seu efeito no potencial fisiológico de sementes de soja, em dois períodos de armazenamento. Para isso, o ensaio foi conduzido adotando-se o delineamento experimental inteiramente casualizado, com arranjo dos tratamentos em parcelas subdivididas, com quatro repetições. As parcelas foram constituídas pelos tratamentos industriais de sementes e, na subparcela foram alocados os períodos de armazenamento (0 e 45 dias). A qualidade fisiológica das sementes foi avaliada por meio dos seguintes testes: teste padrão de germinação, primeira contagem de germinação, envelhecimento acelerado, índice de velocidade de emergência em areia, emergência final em substrato de areia, biomassa seca de plântula e comprimento de plântulas. Nas condições estudadas, o armazenamento das sementes por 45 dias proporcionou redução no vigor e na germinação, sobretudo para as sementes não tratadas (T1). Somente a combinação dos produtos contidos nos tratamentos T5 (tecnologia II + fertilizante), T6 (tecnologia III), T7 (tecnologia III + fertilizante) e T9 (tecnologia IV + fertilizante) não comprometeram o potencial de comercialização das sementes após 45 dias de armazenamento. Imediatamente após o tratamento ou decorridos 45 dias de armazenamento, a adição de fertilizante de ação bioestimulante aos padrões comerciais de tratamento industrial assegurou resultados de qualidade fisiológica superiores àqueles observados nos tratamentos conduzidos sem este produto, com destaque positivo para o tratamento T7 (tecnologia III + fertilizante).

Palavras-chave

Glycine max; tratamento industrial; armazenamento; vigor

Texto completo:

PDF