Rendimento de sementes produzidas na sucessão soja – milho safrinha na região noroeste do Paraná

A. L. Braccini, L. P. Albrecht, M. R. Ávila, C. A. Scapim, M. C. Lana, A. Minuzzi, M. Stulp

Resumo

O trabalho foi conduzido no ano agrícola de 2001/02 com objetivo de avaliar a produtividade das sementes obtidas na sucessão soja precoce – milho safrinha, bem como comparar o rendimento das culturas semeadas fora da época convencional com o plantio na época recomendada, em Maringá – PR. Foram conduzidos ensaios com três cultivares precoces de soja (BRS 183, CD 207 e M-SOY 6101) e três híbridos, utilizando-se quatro repetições. A semeadura realizada em 15/10 e 15/11, para o milho e soja, respectivamente. Partindo-se do rendimento de sementes nas parcelas foram calculadas as produtividades em kg há, bem como o grau de umidade (base úmida) e a massa de mil sementes das duas culturas. Os resultados obtidos permitiram concluir que a antecipação da época de semeadura não afetou o rendimento e a massa de mil sementes das cultivares precoces de soja avaliadas. A semeadura do milho no período de “safrinha” reduziu significativamente o rendimento de sementes dos híbridos avaliados, em comparação com o plantio de verão. A massa de mil sementes dos híbridos de milho sofreu redução acentuada com a semeadura realizada na época de outono-inverno. Houve diferença de comportamento entre os híbridos de milho dentro das épocas de semeadura avaliadas, contudo, esse resultado não foi observado entre as cultivares de soja. A semeadura de safrinha do milho não é opção adequada de cultivo levando-se em consideração apenas o aspecto rendimento.

Palavras-chave

Glycine max; Zea mays; rendimento; sucessão de culturas

Texto completo:

PDF