Efeito dos arranjos espaciais de plantas na sanidade de híbridos de milho

Claudinei Kappes, João Antonio da Costa Andrade, Orivaldo Arf

Resumo

A população correta de plantas é um fator usado pelos agricultores para aumentar o rendimento. Entretanto, o arranjo das plantas pode criar um microclima específico que pode favorecer ou não o desenvolvimento de fitopatógenos e anomalias fisiológicas, o que pode afetar o desenvolvimento da cultura. O presente estudo objetivou verificar os efeitos de arranjos de plantas sobre a sanidade dos híbridos de milho XB 6010, XB 6012, XB 7253, XB 9003 e AG 9010, em dois espaçamentos (0,45 e 0,90 m entre as linhas) e cinco populações de plantas (50.000; 60.000; 70.000; 80.000 e 90.000 plantas ha-1). O experimento foi conduzido na safra 2009, em Selvíria – MS e foram mensurados os caracteres presença de múltiplas espigas, enfezamento vermelho, ferrugem tropical e requeima das folhas. Os resultados foram submetidos ao teste F, sendo os efeitos de híbridos e de espaçamentos comparados pelo teste de Tukey e de populações pela análise de regressão. Os resultados permitiram concluir que os arranjos espaciais de plantas influenciaram a sanidade dos híbridos de maneira diferenciada. Presença de múltiplas espigas e ferrugem tropical diminuíram linearmente à medida que se aumentou a população e o enfezamento vermelho não foi influenciado. Para requeima das folhas, apenas o híbrido XB 6012 foi afetado pelas populações, sendo que na presença de 72.594 plantas ha-1 ocorre a máxima manifestação dos sintomas.

Palavras-chave

produção vegetal, agronomia

Texto completo:

PDF