Estágio Supervisionado: de que práticas se trata?

Márcia Regina Ristow, José Carlos dos Santos

Resumo


A análise parte do pressuposto de que é necessário pensar a organização do Estágio Supervisionado a partir de um tipo de formação que as instituições disponibilizam para as licenciaturas. Visando obter respostas às perguntas sobre o que nos direciona e sobre que avanços percebemos, o artigo busca demonstrar a complexidade cultural que envolve a compreensão do estágio supervisionado a partir do tecnicismo educacional fundado ainda na Lei Federal nº 5692/1971, passando pela Lei Federal nº 01/2006 e desembocando Resolução CNE/CP nº 2/2015, ou seja, a nova Base Nacional Comum Curricular – BNCC, de 1º de julho de 2015. A partir dessa série histórica de legislação educacional e analises teóricas de autores como Bernardete A. Gatti, José Carlos Morgado, Arilene Maria Soares de Medeiros, dentre outros, apontamos alguns encaminhamentos práticos que constam nas reformas curriculares de alguns cursos de licenciatura da Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Palavras-chave


Complexidade cultural; Legislação educacional; Humanização.

Texto completo:

PDF

Referências


ALGEBAILE, E. Escola pública e pobreza no Brasil: a ampliação para menos. Rio de Janeiro: Lamparina; FAPERJ, 2009.

ALMEIDA, S. A prática como componente curricular nos cursos de formação de professores de química no Estado de Goiás. 2016. 133 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) − Universidade Federal de Goiás/GO.

BOFF, L. O despertar da águia: o dia-bólico e o sim-bólico na construção da realidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 1/2006, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 1/2002, de 18 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Documento aprovado em 18.02.2002, publicado no DOU em 09.04.2002. 2002a. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 01/2002, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, em cursos de licenciatura de graduação plena. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP nº 9, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Portal MEC. Brasília, DF: MEC/CNE/CP, 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Lei nº 5692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. MEC. Ensino de 1º e 2º grau.

CHARLOT, B. Relação com o saber, formação de professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre, RS: Artmed, 2005.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. Tradução de Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2002.

DINIZ-PEREIRA. A pesquisa dos educadores como estratégia para a construção de modelos críticos de formação docente. In: DINIZ-PEREIRA, J. E.; ZEICHNER, K. M. (Orgs.). A pesquisa na formação e no trabalho docente. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2002. p. 11-42.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília, DF: UNESCO, 2011.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2001.

MEDEIROS, A. M. S. de. Formação de professores sob a perspectiva da teoria crítica e das políticas educacionais. Educação & Linguagem. Ano 8, nº 11, jan./jun. 2005.

MELLO, G. N. Formação inicial de professores para a educação básica: uma (re)visão radical. São Paulo Perspectiva, São Paulo, vol. 14 nº 1, jan./mar. 2000. Disponível em: .

MORGADO, J. C. Currículo e profissionalidade docente. Portugal: Porto Editora, 2005.

PIMENTA, Selma G.; LIMA, Maria S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2012.

ROCKWELL, E.; MERCADO, R. La práctica docente y la formación de maestros. In: ROCKWELL, E.; MERCADO, R. La escuela, lugar del trabajo docente. Docente México: Centro de Investigación y de Estudios Avanzados del IPN, p. 63-75, 1986.

SACRISTÁN, J. G.; PÉREZ-GOMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Tradução de Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre, RS: Artmed., 1998.

SEVERINO, A. J. A busca do sentido da formação humana: tarefa da filosofia da educação. Revista Educação e Pesquisa, v. 32, n. 3, p. 619-634, set./dez. 2006.




Direitos autorais 2018 Temas & Matizes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.