Proposições para uma política de formação continuada para educação infantil no contexto de Mato Grosso

Rinalda Bezerra Carlos, Domingo Pimienta Barquín, Cleide Aparecida Ferreira da Silva Gusmão

Resumo

Este trabalho tem como objetivo apresentar proposições teórico-metodológicas para uma política de formação continuada para os professores da Educação Infantil (EI) no contexto do Estado de Mato Grosso, uma vez que apesar dos marcos regulatórios nacionais orientarem a organização da educação nesta primeira fase de escolarização, a Secretaria de Educação e Cultura- SEDUC/MT carece de uma proposta voltada para a formação dos profissionais que atuam na EI. Seguimento que requer conhecimentos específicos sobre a criança, a infância, a cultura, as relações estabelecidas nos mais variados espaços, enfim, a complexa teia de dimensões que envolvem o pleno desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida. Assim, esta proposição parte de uma concepção histórico-crítica, cujas bases se sustentam nas necessidades do sujeitos, das instituições, das condições objetivas de apreensão da realidade, configuradas nas experiências dos professores tendo a formação continuada como processo contínuo que se concretiza na relação dialética entre a teoria e a prática.

Palavras-chave

Formação Continuada; Professores; Educação Infantil; Política.

Texto completo:

PDF

Referências

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei 9394. Promulgada em 20/12/1996.

_______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

_______. Ministério da Educação. Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. 1999.

_______. Plano Nacional de Educação- PNE. Ministério da Educação. Brasília: Inep, 2014, p. 123.

CANDAU, V. M. F. Formação continuada de professores: tendências atuais. In: REALI, A. M. de M. R.; MIZUKAMI, M. G. N. (Org.). Formação de Professores: Tendências Atuais. São Carlos: EdUFSCar, 1996.

CARLOS, R. B. Um estudo sobre a formação continuada do Coordenador Pedagógico desenvolvida pelo CEFAPRO de Cáceres/MT. (Tese de Doutorado). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2013.

FRIGOTTO, G. A produtividade da Escola Improdutiva. São Paulo: Cortez, 1993.

GATTI, A. B.; BARRETO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

MARCELO, C. Formação de professores para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação. Orientações Curriculares: Concepções para a Educação Básica. Cuiabá: Defanti, 2010.

_______. Secretaria de Estado de Educação. Plano Estadual de Educação e Plano Nacional de Educação. Cuiabá: SEDUC/MT, 2014.

PARO, V. H. Administração escolar e qualidade do ensino: o que os pais ou responsáveis têm a ver com isso? Gestão Democrática. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

PLACCO, V. M. N. S. Perspectivas e Dimensões da Formação e do Trabalho do Professor. In: SILVA, A. M. M.; MACHADO, L. B.; MELO, M. M.O.; AGUIAR, M. C. C. (Orgs.): Educação Formal e Não Formal, Processos Formativos, Saberes Pedagógicos: Desafios para a Inclusão Social. 1 ed. Recife - PE: Edições Bagaço, 2006, v., p. 251-262.

PLACCO, V. M. N. S.; ALMEIDA, L. R.; SOUZA, V. L. T. O coordenador pedagógico (CP) e a formação de professores: intenções, tensões e contradições. Estudos e Pesquisas Educacionais – Fundação Victor Civita, 2011.

SACRISTÁN, G. Currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.

VYGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche. São Paulo: Martins Fontes, 1984.