MICHAEL WINTERBOTTON ENCONTRA GIORGIO AGAMBEN: BIOPOLÍTICA E CINEMA

André Duarte

Resumo

O objetivo deste artigo é pensar teoricamente com o cinema de Michael Winterbotton,
considerando seus filmes Neste mundo (2002), Código 46 (2003) e O caminho para Guantánamo
(2006) como ‘textos’ que interrogam dilemas e impasses da política do presente e do futuro próximo,
tais como a imigração ilegal, a detenção ilegal e o controle biotecnológico de fronteiras. Neste
intento, as categorias teóricas de biopolítica e estado de exceção, formuladas por Giorgio Agamben,
mostram-se decisivas, pois iluminam a fonte de onde brota a potência perturbadora das imagens
do cineasta inglês. A hipótese teórica que orienta a presente investigação é a de que a biopolítica,
que poderíamos definir em linhas gerais como relativa ao problema da fronteira entre a vida
qualificada dos incluídos e a vida nua exposta à arbitrariedade dos excluídos da ordem política e
econômica mundial, constitui o tema comum aos filmes de Michael Winterbotton e às reflexões
teóricas de Giorgio Agamben.

Palavras-chave

Biopolítica; Cinema; Tecnobiopolítica.

Texto completo:

PDF