Em novos tempos, as mesmas práticas: formulação e execução da política externa brasileira

Cláudio Oliveira Ribeiro

Resumo


A análise do processo de formulação e execução da política externa brasileira deixa patente a carência de trabalhos que enfatizem o papel desempenhado pelos atores domésticos no desenho de nossa diplomacia. Mais ainda, a flagrante centralidade decisória mantida pelo Ministério das Relações Exteriores que o capacita a formular e executar políticas sem a necessidade de mediações com atores políticos domésticos. Este breve artigo debate os motivos deste fenômeno, ressaltando as implicações negativas que dele decorrem para o próprio projeto de inserção internacional do país. Seu principal objetivo e colaborar para o debate em torno das relações internacionais do país.

Palavras-chave


política externa, processo decisório, Itamaraty, Brasil.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista Tempo da Ciência



e-ISSN: 1981-4798 — ISSN: 1414-3089

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Toledo
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais

Rua da Faculdade, 645 — Jardim La Salle
CEP: 85903-000 — Toledo-Paraná-Brasil

| revistatempodaciencia@yahoo.com.br |