Ocupar territórios imaginários: a narrativa ficcional de Olívio Jekupé

Paulo Victor Albertoni Lisboa

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir a noção de literatura nativa, a partir das
narrativas ficcionais infantojuvenis de Olívio Jekupé, escritor Guarani. Com uma produção
literária contemporânea que versa sobre trânsitos sucessivos entre a aldeia e a cidade, a casa
e a escola, entre mundos e modos de conhecimento, Olívio Jekupé inscreve em sua literatura
o imaginário Guarani das “andanças” (–guata, “andar” ou “viajar”), do qual são exemplos a
busca pela terra sem mal e a caminhada dos gêmeos Sol e Lua, matéria de ficcionalização.
O diálogo entre crítica literária e etnologia desdobra, portanto, um lugar produtivo para a
compreensão da escrita intermediária de Olívio Jekupé, que anuncia a prerrogativa para os
múltiplos deslocamentos: a existência da tekoa, a produção e reprodução da vida Guarani.

Palavras-chave


Narrativa ficcional; Escrita intermediária; Guarani; Olívio Jekupé.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2017 Tempo da Ciência

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Tempo da Ciência



e-ISSN: 1981-4798 — ISSN: 1414-3089

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Toledo
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais

Rua da Faculdade, 645 — Jardim La Salle
CEP: 85903-000 — Toledo-Paraná-Brasil

| revistatempodaciencia@yahoo.com.br |