Amores plurais situados – Para uma meta-narrativa socio-histórica do poliamor

Daniel Cardoso

Resumo

A partir de um conjunto de reflexões teóricas e socio-históricas, mas também a partir do contacto com uma vasta literatura de auto-ajuda sobre poliamor (tanto online como em formato físico), irei sistematizar três condições fundamentais que, argumento, explicam a emergência e rápida visibilização do poliamor enquanto formato específico e distinto de não-monogamia consensual. Essas condições fundamentais são a individuação, sexualização e psicologização da sociedade ocidental contemporânea. A compreensão do papel de cada uma destas condições para o surgimento do poliamor é central para a ligação entre poliamor, estruturas neoliberais de subjectivação e para estabelecer as bases de análise dos movimentos sociais emergentes sobre poliamor. Só através de uma abordagem situacionista é possível evitar a colonização conceptual e cultural de diversas formas de não-monogamia consensual que não originem na mesma matriz socio-histórica, e produzir saberes comprometidos com uma objectividade forte, reconhecer o papel da hegemonia da Anglo-esfera e o papel resistivo ou contra-hegemónico de outros discursos críticos sobre não-monogamias consensuais. Na matriz desta reflexão está o trabalho de Foucault (1994), Beck e Beck-Gernsheim (2003) e de Rose (1998).

Palavras-chave

poliamor, sexualização, individuação, psicologização

Texto completo:

PDF