Patriarcalismo e liberdade: nota sobre a polêmica Locke-Filmer

Maria Cecília Pedreira de Almeida

Resumo


Os “Dois Tratados sobre o Governo”, de John Locke, têm um papel de destaque na filosofia política das luzes. Nele, ao afirmar as idéias de liberdade e igualdade naturais dos homens, o autor mina as bases do pensamento absolutista. Se é no Segundo Tratado que o autor estabelece de modo mais evidente sua teoria política, é importante notar que o pressuposto lógico desta obra é o Primeiro Tratado sobre o Governo, texto menos conhecido e estudado pela história da filosofia, no qual Locke refuta de forma minuciosa as idéias de Robert Filmer, sistematizador da doutrina patriarcalista e do direito divino dos reis. Ao rejeitar argumentos de Filmer, Locke mostra que o poder político não se constitui apenas de vontade, mas envolve consenso, lei e entendimento. O objetivo aqui é mostrar que a discussão do patriarcalismo é um passo relevante na construção da teoria política lockiana.

Palavras-chave


poder político; patriarcalismo; governo; lei; liberdade

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista Tempo da Ciência



e-ISSN: 1981-4798 — ISSN: 1414-3089

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Toledo
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais

Rua da Faculdade, 645 — Jardim La Salle
CEP: 85903-000 — Toledo-Paraná-Brasil

| revistatempodaciencia@yahoo.com.br |