Hegel e os fundamentos geográficos da história - o clima e o solo como condicionantes de progresso ou atraso histórico

Jair Antunes

Resumo

Este trabalho tem como objetivo discutir a importância das condições geográficas, físicas e climáticas na configuração dos povos históricos segundo a concepção de história universal em Hegel. Para este, a história da humanidade representa a Idéia do Espírito, tal como esta se apresenta na realidade efetiva enquanto série de configurações externas. Este espírito, ao apresentar-se na história universal, nas figuras de povos determinados, está sujeito às contingências naturais. Ao ingressar no tempo e espaço determinados expõe-se ao modo da finitude e, assim, ao modo da naturalidade em geral. Aparece, então, como a particularidade natural existente como princípio natural, como determinidade singular natural. O clima tem especial influência na formação sócio-cultural de um povo. Estas diferentes particularidades naturais formam o fundamento da determinidade geográfica da história universal. A América aparece como parte da história do porvir, do vir-a-ser, da história do futuro e, portanto, como a possibilidade de superação da história européia.

Palavras-chave

Friedrich Hegel, história universal, fundamentos geográficos, América, devir

Texto completo:

PDF