Etnicidade em Assentamentos do Rio Grande do Sul

Paulo Freire Mello, José Carlos Gomes dos Anjos

Resumo

De forma homóloga à realidade geral da sociedade brasileira, por meio de umdiagnóstico de sistemas de produção, realizado na safra 2004/2005, para uma amostra de13% da população total, observamos, nos assentamentos do Rio Grande do Sul, um diferencialde renda (neste caso, agrícola) entre brancos e não brancos. A discussão desse resultadopermitiu perceber que o processo de dominação simbólica (o racismo) na reforma agrária sedá pela construção de um tipo-ideal de assentado (o colono de origem europeia), tendendoa promover a desmoralização, individual e coletiva, dos chamados “brasileiros” – mais voltadosa uma economia de aprovisionamento –, seja pelo efeito de destino que engendra entre osestigmatizados, ou mesmo na própria (não)ação dos agentes de desenvolvimento. Tal situaçãonos proporcionou desenvolver uma discussão voltada à análise das contradições de políticaspúblicas universalistas que ignoram o viés étnico.

Palavras-chave

Racismo. Reforma agrária. Renda agrícola

Texto completo:

PDF