IMMANUEL KANT: considerações sobre a teoria do homem como “cidadão de dois mundos”

Dr. Luciano Carlos Utteich, Vanessa Brun Bicalho

Resumo

Este artigo tem como principal objetivo apresentar a concepção kantiana dohomem como “cidadão de dois mundos”, aquela aparente concepção dualista fundada a partirda doutrina do Idealismo Transcendental do Sujeito kantiano. É desde a compreensão darazão em sentido tríduo (como razão teórica, razão especulativa e razão prática) que podemosconceber de que modo a distinção efetuada entre “o que podemos conhecer” e “o quepodemos pensar” reflete ou produz conseqüências em relação à questão acerca “do quepodemos fazer”. Ao falar do homem como cidadão tanto do mundo sensível como do mundointeligível, Kant é incisivo em assinalar o modo pelo qual deve ser adotada tal perspectiva.Como opções há um modo de adotá-la como tratando de dois mundos ontologicamenteseparados ou somente como dois pontos de vista conceitualmente adotados. No decorrer doestudo se demonstrará porque o filósofo admite claramente apenas a distinção conceitual epor isso, possível apenas desde a esfera do puro pensamento. Conforme será demonstrado,esta questão mostra-se atrelada ao problema da elucidação kantiana sobre o desenvolvimentodo conceito de liberdade.

Palavras-chave

Conhecimento Prático. Razão Prática. Liberdade Transcendental. Unidade da Razão.

Texto completo:

PDF